terça-feira, 1 de maio de 2007

Mércio Pereira Gomes na Wikipedia

Biografia na Wikipedia em português

Mércio Pereira Gomes (10 de novembro de 1950, natural de Currais Novos, RN, Brasil) foi o primeiro antropólogo brasileiro a conceber e escrever sobre a sobrevivência dos povos indígenas no Brasil. Seu primeiro livro, Os Índios e o Brasil (Petrópolis, Vozes, 1988; 2ª edição, 1991; edição americana, The Indians and Brazil, Gainesville, FL.: University Presses of Florida, 2000) demonstrou que os povos indígenas que sobreviveram até a década de 1950, mesmo em pequenas sociedades, estavam revertendo a histórica curva demográfica decrescente e começavam a experimentar um verdadeiro e sustentável crescimento populacional.

No referido livro, após discorrer sobre a história das relações interétnicas no Brasil ao longo de cinco séculos, Gomes apontou as três principais causas da reversão demográfica dos povos indígenas.

A primeira causa foi o fim da varíola e a diminuição da virulência de diversas doenças trazidas pelos portugueses e africanos, tais como sarampo, coqueluche, tuberculose e outras doenças pulmonares. A varíola tinha sido o maior flagelo dos povos indígenas, aniquilando muitas populações até a década de 1960.

A segunda foi a aquisição de defesa imunológica àquelas doenças que os povos indígenas adquiriram ao longo dos anos de contato e relacionamento com a sociedade brasileira. Paralelamente, foi sendo criado uma espécie de cordão sanitário ao redor das comunidades indígenas por conta das vacinações em massa que se fizeram no Brasil a partir da década de 1950.

A terceira causa, talvez a mais difícil de aferir, foi, por um lado, o reconhecimento por parte da sociedade brasileira (e do mundo ocidental em geral) do valor dos povos indígenas e de suas culturas; e por outro, o surgimento, por parte dos povos indígenas, de uma nova consciência política do mundo que os cerca, bem como do valor próprio de suas culturas. Isto elevou os povos indígenas a um novo patamar de relacionamento com o mundo brasileiro mais amplo, que lhes favoreceu o orgulho étnico e abriu caminho para a demarcação mais intensa de suas terras e a responsabilização maior por parte do Estado brasileiro para a defesa dos povos indígenas.

Desde 1975, Mércio tem feito pesquisas de campo com diversos povos indígenas, entre os quais se destacam os índios Tenetehara e Guajá, sobre quem tem escrito livros e artigos. Seu livro mais recente, O Índio na História. O povo Tenetehara em busca da liberdade (Petrópolis, Vozes, 2002), trata da saga da sobrevivência dos Tenetehara ao longo de mais de 400 anos de relacionamento com segmentos da sociedade ocidental, desde os franceses e portugueses até a sociedade nacional brasileira.

Em 1991 foi convidado para participar de uma pesquisa sobre como os holandeses entendem e se relacionam com seu meio ambiente, cujo resultado foi o livro A Vision from the South. How wealth degrades the environment (Leiden, Van Arkel, 1992).

Por conta dessa visão da sobrevivência dos povos indígenas, Mércio foi convidado para ser presidente da Funai pelo presidente Lula da Silva (setembro 2003 a março 2007). Nesse papel, ajudou a realizar a homologação de 66 novas terras indígenas, inclusive a controvertida e problemática Terra Indígena Raposa Serra do Sol, que somam uma totalidade de 11 milhões de hectares, aumentando o percentual de terras indígenas em proporção ao território brasileiro em 1,5 pontos. Ao final de sua administração na Funai, tida como a mais longa e estável desde a democratização do Brasil, ficaram em processo de demarcação mais de 50 novas terras, entre elas diversas novas terras dos índios Guarani e Pataxó e a Terra Indígena Trombetas-Mapuera, esta última localizada entre os estados do Amazonas, Pará e Roraima, que soma quatro milhões de hectares.

Ainda como administrador público, Gomes trabalhou com o antropólogo, político e educador Darcy Ribeiro, de quem foi subsecretário de Planejamento da Secretaria Especial de Projetos e Educação, no governo do Rio de Janeiro (1990-1994), tendo ajudado a planejar e construir os famosos Centros Integrados de Educação Pública, o primeiro grande experimento público em prover educação em tempo integral para os jovens no Brasil.

Mércio Pereira Gomes é professor de Antropologia, com doutorado pela Universidade da Florida (EUA). Leciona na Universidade Federal Fluminense, em Niterói, RJ, tendo ensinado também nas universidades Federal do Rio Grande do Norte, Unicamp, Estadual do Rio de Janeiro e Macalester College (EUA). Deu palestras em diversas outras universidades e instituições, entre as quais Oxford University, London School of Economics, University of Florida e no Instituto Latino-Americano de Berlin, Alemanha.

2 comentários:

Clodoeste Kassu disse...

Mércio, preciso seu endereço p/ mandar documentos CONDISI/Xavante

Urgente denúncia.

Clodoeste Pereira, vereador em Água Boa ex- servidor Funsaúde/Unb/Funasa

Janine disse...

Olá, professor Mércio, vi que lecionou na UFRN, sou de Natal e fiquei feliz em saber que é de Currais Novos. Encontrei seu blog por me interessar por Antropologia, formei em Odontologia pela UFRN. Vou procurar seus livros e gostaria de manter contato com o senhor, ou você - se preferir assim. Será uma honra e prazer se for possível.
Respeitosamente, Janine (jan.odonto@gmail.com).

 
Share