quarta-feira, 12 de maio de 2010

Índios obtêm vitória no Senado Federal

Hoje deu-se uma importante audiência no Senado Federal para discutir o decreto de reestruturação da Funai. É a segunda realizada no Congresso Nacional, pois há quinze dias foi realizada uma igualmente contundente na Câmara Federal. Mais de 200 índios estavam presentes, muitos nem puderam entrar na sala da Comissão de Direitos Humanos. A matéria abaixo, feita pela Agência Senado, trata de relatar alguns dos pontos discutidos e do seu teor. Porém, há ressalvas a essa matéria, que será melhor explicada abaixo.

A questão do decreto presidencial que reestruturou a Funai vem sendo objeto de questionamento e protestos por grande parte dos índios e da maioria dos indigenistas da Funai desde que foi publicado, em 24 dezembro de 2009.

Desde janeiro deste ano que grandes hostes de guerreiros indígenas, homens, mulheres e filhos, vêm aparecendo em Brasília para protestar contra esse decreto. Durante duas semanas tomaram a Funai, num feito único e extraordinário, constituíram uma assembleia para discutir suas ações e decidiram permanecer até a revogação do decreto. A tomada da Funai será lembrada como um grande feito na história do movimento indígena brasileiro. Porém, como em todos os movimentos, há as traições. Duas defecções foram fundamentais para enfraquecer a grande assembleia. 150 índios Potiguara se retiraram num só dia. Depois mais um grande grupo de Pankararu. Daí os que restaram foram obrigados a dissolver a assembleia e se retirar a contragosto, por sentença judicial. A Funai foi retomada pelas forças oficiais. Em seguida, a direção atual da Funai e o Ministério da Justiça puseram uma tropa da Guarda Nacional na porta da Funai para vigiar a entrada de índios e pessoas não identificadas como funcionários, algo também inédito.

Porém, quando a atual direção da Funai achava que tinha dominado tudo, depois de reuniões as mais estranhas com grupos variados de índios, reuniões em que tudo e quase tudo foi negociado a torto e a direito, com promessas as mais incabidas, eis que um pequeno grupo de índios fez fincapé e resolveu armar acampamento em frente ao Ministério da Justiça, na esperança de que o novo ministro desse uma solução à questão.

Entretanto, tudo indica que a Casa Civil, por razões óbvias e conhecidas, entre elas o licenciamento pretensioso e ilegítimo da Usina Belo Monte, bem como, aparentemente, o próprio presidente da República, resolveram que o protesto dos índios não podia ser considerado legítimo e não valia a pena dar-lhe crédito e respeito. Nem o decreto de reestruturação foi revogado, nem a direção atual da Funai foi exonerada. A situação foi se mantendo até agora, sem saída.

O Acampamento Indígena Revolucionário é uma ação excepcional no movimento indígena brasileiro. Apoiado por pequenos grupos de ajuda na cidade de Brasília e pelos esforços e recursos dos próprios índios, o Acampamento permanece em frente ao Ministério da Justiça há oito semanas. Firme e forte, com novos grupos indígenas indo e vindo, como numa vigília em prol dos índios e da renovação da Funai.

Por que Lula e o ministro da Justiça não vêem que algo diferente está acontecendo entre os índios, em relação à Funai, e esse esdrúxulo decreto e a sua direção atual? Mais estranho ainda: como o movimento indígena brasileiro não se dá conta do potencial político que esse Acampamento traz em si? E a tal da Comissão Nacional de Política Indígena e seus membros indígenas -- como eles não se solidarizam com o Acampamento e suas bandeiras?

Que está acontecendo, afinal, com o movimento indígena brasileiro? Tem autonomia ou depende de verbas como a UNE? Como deixam seus patrícios ao sacríficio à luta insana, sem apoiamento direto? O líder Kayapó, Megaron Txukarramãe, em luta pela revogação do licenciamento da Usina Belo Monte e contra a atual direção da Funai, cobrou à Coiab, a principal associação de índios da Amazônia, que se posicionasse. Até agora, nada.

Os líderes do Acampamento Indígena Revolucionário vão prosseguir em sua batalha. Algo diferente no movimento indígena está para acontecer. Seria bom que Lula fosse o presidente a fazer história e colocasse um índios na presidência da Funai. Por que, se não, será o próximo presidente que o fará.

Aos índios que estão se sacrificando pelo futuro, meus mais profundos sentimentos de respeito e honra.

__________________________________


Representantes dos indígenas pedem revogação do decreto que reformula Funai

[Foto:]
O decreto presidencial que reformulou a estrutura da Fundação Nacional do Índio (Funai) e extinguiu administrações regionais da entidade (decreto 7.056/09) é ilegal e inconstitucional e deve ser revogado. Essa é a opinião dos representantes indígenas e de servidores da Funai que participaram de audiência pública que discutiu na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) os problemas gerados ao indígenas a partir de edição do decreto.
Eles informaram que será criada comissão representativa de indígenas de todo o país para consolidar as propostas relativas ao decreto. O presidente da CDH, senador Cristovam Buarque (PDT-DF) se comprometeu a intermediar suas reivindicações com o presidente da Funai, Márcio Meira, o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, e com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso.
[Foto:]
Ao editar o decreto sem consultar os povos indígenas, argumentou o vereador de Campinápolis (MT), Jeremias Pinita'Awe, o presidente da República desrespeitou a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Tal documento exige observância dos interesses dos povos envolvidos quando decisões legislativas ou administrativas possam afetá-los diretamente. Ele disse que os povos indígenas esperavam desde 2003 que o governo promovesse uma discussão "aberta e séria" com eles sobre implementação de políticas indigenistas, bem como relativa a reformulação da Funai, o que não aconteceu.
Alem de desrespeitar a convenção da OIT, afirmou o vereador, o decreto alterou a finalidade da Funai, o que deve ser feito apenas por Emenda Constitucional. Em sua avaliação, há violação dos direitos humanos dos indígenas, que ficaram numa situação de vulnerabilidade após a edição do decreto.
- Não podemos interferir na conveniência e oportunidade da administração pública ao editar normas, mas o aparato estatal não pode ser usado contra uma população em situação de vulnerabilidade - disse Jeremias Pinita'Awe.
Também o representante da população indígena do Maranhão, cacique Raimundo Guajajara, observou ser inconstitucional o decreto por violar os direitos humanos desses brasileiros. Ele criticou o Parlamento por permitir que a Carta Magna seja desrespeitada.
- Estão pisando na Constituição, se eu fosse parlamentar eu me envergonharia. Verifiquem melhor a nossa lei. A Funai deve dar assistência aos índios, não aos interesses políticos. O decreto é cruelmente criminoso - ressaltou o cacique.
Na avaliação do líder indigenista, Carlos Pankararu, o decreto "é mal intencionado", uma vez que foi editado no último dia do ano passado, quando o Congresso Nacional estava em recesso e sem consultar a população indígena. Segundo ele, o presidente da Funai teria afirmado que o decreto sairia mesmo se os indígenas fossem ouvidos.
- Isso é ditadura. Se há democracia nesse país, que se coloque em prática - disse Pankararu, ao afirmar que os bandeirantes mataram os índios com armas e hoje eles são mortos com a caneta, referindo-se à edição do decreto presidencial.
Governo
O responsável pela Procuradoria da Funai, Antonio Marcos Guerreiro Salmeirão, representando o presidente da Funai, afirmou que a entidade precisava ser reformulada, pois a Constituição de 1988 passou a tratar os indígenas como capazes. Antes da promulgação da Carta atual, o índio era considerado incapaz e necessitava da tutela do Estado. Esse antigo modo de ver as populações indígenas, observou Guerreiro, ainda se encontra entre alguns servidores da Funai, que não assimilaram o novo conceito.
Antônio Guerreiro disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva editou o decreto para melhor distribuir servidores nas coordenações regionais e nas unidades. As medidas, destacou o representante da Funai, vão aprimorar o atendimento aos indígenas, bem como melhor alocar os recursos públicos.
O secretário de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU), Rafael Lopes Torres, informou que o tribunal realizou auditorias na Funai nos anos de 2002 e 2003 e encontrou problemas, especialmente ligados à estrutura do órgão. Entre os problemas apontados, explicou, estão a falta de condições para desenvolvimento dos projetos, a carência de instalações e equipamentos adequados e falta de critérios definidos para definir o que seja posto indígena e núcleo de apoio. Tais observações, destacou o representante do TCU, podem não estar mais presentes na atualidade.
Ele também fez questão de informar que o TCU não apresentou nenhuma recomendação no sentido de extinguir unidades, atribuição, conforme lembrou, que cabe ao Poder Executivo. O tribunal, em seu parecer, destacou a importância do trabalho realizado nos postos em benefício das populações indígenas, apesar dos problemas estruturais que enfrentavam. O TCU também sugeriu a qualificação da Funai como agência Executiva e não mais uma fundação.
O senador José Nery (PSOL-PA) lamentou a ausência do presidente da Funai à audiência, que justificou já ter compromisso previamente agendado em Manaus. O senador defende a observação das demandas indígenas para realizar reformulação do decreto.
Já o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse ser indispensável que o presidente da Funai explique ao Parlamento, aos servidores da Funai e à população indígena a motivação do decreto. O senador também sugeriu a criação de uma comissão de servidores para acompanhar as discussões entre os indígenas e a presidência da Funai.
Denúncias
O indigenista e geógrafo especialista em Gestão e Ordenamento Territorial, da Universidade de Brasília, Wagner Tramm, pediu que sejam investigadas denúncias de nepotismo na Funai, bem como as relacionadas a fraude nos processos de licenciamento ambiental. Ele também afirmou que os servidores estão sofrendo assédio moral. Coordenadores competentes são afastados de suas funções e substituídos sem nenhum critério técnico.
- A Funai está entregue às baratas, o patrimônio está abandonado, os servidores estão impedidos de atuarem e o pior é presenciar o Estado, que tem a função de estabilizar conflitos, fomentar conflitos. O decreto vai estimular a guerra inter-étnica, entre garimpeiros e indígenas - disse Tramm.
Iara Farias Borges / Agência Senado


__________________________




Índios querem comissão para discutir reformulação da Funai

Lisiane Wandscheer
Repórter da Agência Brasil


Brasília - Índios de diversas etnias do país reunidos hoje (12) em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal propuseram a revisão do Decreto 7.056/2009 e a criação de uma comissão para discutir a reformulação da Fundação Nacional do Índio (Funai). O presidente da fundação, Márcio Meira, mais uma vez não compareceu à audiência.

O clima foi tenso durante toda a reunião. No final da audiência, por volta das 14h, os índios permaneceram na sala para definir os integrantes da comissão. As sugestões de revisão do decreto e da criação de uma comissão serão encaminhadas ao presidente da Funai pelo senador Cristovam Buarque, presidente da Comissão de Direitos Humanos.

A reunião de hoje (12) foi marcada na última quarta-feira (5), durante audiência para comemorar os 100 anos da política indigenista no país e que acabou sendo cancelada a pedido dos indígenas.

Um dos principais pontos criticados pelos mais de 200 índios presentes à reunião de hoje (12) foi a falta de participação da população indígena na reformulação da Funai. “Pedimos a extinção do Decreto 7.056. Queremos uma nova estruturação da Funai, mas, desta vez, com ampla discussão com os povos indígenas e a criação de uma comissão que nos represente”, disse o vereador de Campinópolis (MT) Jeremias Pnita'Awe.
Segundo os indígenas, o decreto viola o Artigo 6º da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), criada na Conferência de Genebra, em 1989 e adotada pelo Brasil desde 2002. De acordo com o texto da convenção, povos indígenas e tribais devem sempre ser consultados em assuntos de seu interesse.

Para o procurador-geral da Funai, Antônio Salmeirão, falta esclarecimento sobre o decreto. “Desde a Constituição de 1988 havia necessidade de se reestruturar a fundação. A Funai prestava tutela aos índios. O decreto fala em participação social, em gestão compartilhada junto com os indígenas”, destacou.
O secretário de Controle Externo do Tribunal de Contas da União, Rafael Lopes Torres, disse que em 2004 foi enviado um documento à Funai que enumerava problemas observados pelo tribunal. Entre eles, a falta de condições operacionais para o desenvolvimento dos projetos e a inexistência de critérios para definir as ações para os povos indígenas. Como recomendações, o documento sugeria reformulações na infraestrutura e a realização de estudos sobre a reestruturação.
Torres disse que o TCU pode contribuir no debate entre indígenas e Funai. Segundo ele, o tribunal pode verificar a legalidade do Decreto 7.056 e se houve descumprimento da Convenção 169 da OIT. O tribunal também pode checar se as modificações propostas são positivas para as comunidades indígenas.


Edição: Lílian Beraldo

46 comentários:

A. Cavalcante disse...

A fala do Procurador da FUNAI, senhor Salmeirão, foi vergonhosa por tanta ignorância sobre direito indígena e a política indigenista. Ignora a política indigenista e a realidade indígena brasileria tanto quanto o Sr. Márcio Meira.
Onde o PT encontrou esses caras ??

Anônimo disse...

Meu prezado amigo Mercio Pereira Gomes. Bravo, Bravo para estes guerreiros indigenas brasileiros. Pelo menos uma grande noticia e que deveria ser iniciado com a pesquisa de nepotismo dentro do orgão funai. posteriormente mandar uma comissão para verificar quais coordenadorias realmente estão funcionando em todo territorio nacional, verificar que tipo de acordo o todo poderoso presidente da funai fez com os indigenas que iniciaram os protestos em Brasilia já no inicio de janeiro deste ano. Como e dar tanta autonomia a um irresposavel despreparado presidente da funai para esfacelar por completo as adminitrações de São Luis, João Pessoa e Recife sem contar com tantas outras importantes para causas indigenas, e que não teve o cuidado de planejar as futuras coordenações regionais e técnica extinguindo os Postos Indigenas deixando as unidades em terem o que fazer poi não abem a quem recorrer. Deixando tudo parado como é o caso de Pernambuco, Maranhão e Paraiba bem como Alagoas. Isto é um bom começo agora nos seridores queremos trabalhar mas estamos impedidos por este grupo de inconpetentes que estão provisóriamente a frente de nossa Funai. vou deixar u7m pouco este comentarios para saboriar este ato publico realizado no Senado e parabenizar todos os que estão lutanto. Waldira e Estela voces são realmente umas vitoriosas nesta causa.

Anônimo disse...

Queria que Salmeirão e Rafael Torres estivessem ontem em na Aldeia Cachoeirinha (por ocasião do mandado de despejo), para sentirem o desserviço que eles prestam aos terenas com essas falas tão destoantes da realidade.Aqui no Pantanal a Funai nem coordenador tem há mais de ano que dirá as ditas coordenações técnicas (faz me rir).
Essa direção da Funai passou dos limites em cinismo, prepotência,burrice, etc,etc

Wanderley Terena - Doutorando em História

WILIAN/MS disse...

Parabens aos indios que insistententemente claman por seus direitos, parabens ao congresso nacional,parabens aos politicos que se senbilizaram pela causa indigena, que pelo visto muitos deles não estão nem aí. Parabens pelos blogueiros deste conceituado e importante blog do amigo dos povos indigenas "Mercio Gomes". Até que enfim alguem de bom senso deram ouvidos aos indios, que não estão pedindo nada além dos seus direitos que é de participarem do processo. Acho que não só esses indigenas que encontram-se aí em Brasilia deveriam serem consultados, mas todos os do Brasil, que muitos deles estão sofrendo na pele essa calamidade pela qual passa nosso órgão indigenista e não possuem a mínima condição de clamarem seus anseios. Que bão seria se houvessem interresses dos politicos em se fazer um congresso nacional com a presença de todas as lideranças indigenas de todas as etnias existentes. Não acho dificil pois anteriormente foram feitas diversos encontros, na gestão do ex-Presidente Mércio Gomes.
Conclamo aos colegas indigenistas para esforçarmos e apoiálos essa ideia juntamente aos indigenas. Só com discusão ampla em torno dessa polêmica teremos resultados que atenda todos os interesses e as comunidades indigenas sejam atendidas humanitariamente em suas necessidades.
WILIAN/MS

Anônimo disse...

ORA..ORA..ORA...ATE QUE ENFIM...UM TERENA SE POSICIONOU.MATO GROSSO DO SUL ACORDOU....PARABENS WANDERLEY PELA SUA FALA.VC ESTA CERTO QUANDO DISSE ESSA DIREÇÃO DA FUNAI PASSOU DOS LIMITES, MAIS NÃO SE ESQUEÇA QUE A DIREÇÃO DA FUNAI ESTA FAZENDO TD ISSO COM O AVAL DO PRESIDENTE LULA...DAREMOS O TROCO NAS ELEIÇÕES...OUTUBRO VEM AI...ACORDA MS..

Waldira disse...

Meu Querido Mércio,

Conforme foi publicado no seu blog, hoje saiu à portaria de minha requisição para a DPU. Todos sabem da minha paixão pelo meu trabalho na FUNAI e o prazer com que o executava para os indígenas, principalmente para os de Pernambuco, porém, todos tem conhecimento da minha insatisfação desde a publicação do Decreto 7.056/2009. E sabem também, que acredito em subordinação e nunca em submissão, não sou e nunca serei assim. Estou triste, pois estou deixando uma vida de dedicação e de profissionalismo em prol dos indígenas, e feliz por ter a oportunidade de recomeçar uma nova fase, em outra esfera. Já havia comunicado a todos que seria difícil continuar executando um trabalho do qual não acreditava e não teria condições de ver no futuro próximo o fracasso desse Decreto e apenas os indígenas sendo penalizados por algo que começou errado, sem, contudo, perceber qualquer tipo de humildade dos gestores em admitir os erros. É frustrante para qualquer profissional, perceber o erro e não poder fazer nada. Não sou daquelas que fecha os olhos para nada ver. Como a Chica Picanço,disse: "se não tiver satisfeita, peça para sair", e tem um ditado que diz – Os incomodados que se mudem, o qual concordo, em gênero, número e grau. Porém quero deixar bem claro, os índios já haviam sido informados. E deixo claro também, a quem interessar que faço isso por achar que será bom para os indígenas e para mim, continuar significaria aceitar tudo que eles ainda querem fazer, fingir que tudo continua lindo e maravilho, não é do meu perfil, todavia, continuar não renderia, ou seja não realizaria um bom trabalho, seria uma batalha constante, e deixaria os indígenas em situações muitas vezes conflituosas. Para os gestores, que incomodei bastante, não estou deixando a luta ou dando uma trégua, ao contrário, continuarei junto aos índios e na luta, com muito mais garra e presença. Estarei sempre à disposição para ajudar e orientar sempre que necessário e aos verdadeiros amigos que deixei um forte abraço e não deixaremos os laços desatarem e se dispersarem no tempo. Aos parceiros, que tanto me ajudaram para as efetivações de grandes trabalhos e projetos, toda a minha gratidão e respeito. Quero nesta oportunidade reafirmar que não acredito no sucesso desse Decreto, espero que não, mais acredito que voltarei pra dizer que estava certa, mesmo para aqueles indígenas que hoje o acham maravilhoso, queira Deus, ter a certeza do sucesso que muitos estão achando. Portanto, continuarei a ser o calo de muita gente, afinal a DPU é ligada ao Ministério da Justiça, não posso levar a FUNAI comigo, senão seria um anexo, mais no meu coração vocês estarão sempre. Mércio, não poderia deixar de te agradecer a oportunidade oferecida no seu blog para expressar todas as minhas críticas, como também às oportunidades enquanto profissional. Na vida tudo é fase e em cada ciclo as energias se renovam. No momento, estou recarregando para voltar com força total, na derrocada dos que hoje detonam a FUNAI. A vida continua e assim não deixarei que baixem minha cabeça, e enterrem minhas idéias , ideais e convicções, mais do nunca inabalável. Obrigada a todos. Waldira

Waldira disse...

Meus bravos guerreiros,



Estou bastante orgulhosa de todos vocês. Quisera que os servidores tivessem a mesma coragem e disposição. Vocês estão servindo de exemplo tantos pra nós servidores quanto para os demais indígenas que estão esperando o milagre bater a porta. Gente estou tão feliz pela luta de vocês, esses são os guerreiros que conheço. Meu orgulho é extensivo á todos,principalmente aos de Pernambuco. Sei que todos estão passando privações e deixando suas obrigações nas respectivas comunidades. Porém, estão lutando por uma causa maior, o futuro de voces e das novas gerações. Um abraço indígena daquela que acredita que a união faz a força e a persistência só leva a vitória.

PARABÉNS MEUS INDÍGENAS GUERREIROS- SUCESSO E CONTE SEMPE COMIGO.

WALDIRA

Anônimo disse...

PREZADO MERCIO, MAIS UMA VEZ O SR. PRESIDENTE DA FUNAI SE ACOVARDA E INVENTA UMA VIAGEM PARA NÃO COMPARECER A UMA AUDIENCIA PUBLICA COM MEDO DE ENFRETAR OS INDIOS E OS SENADORES CARA A CARA, E MANDA UM TAL DE SALMEIRÃO E QUE AO INVES DE SER UM PROCURADOR FUTURAMENTE VAI SER UM PROCURADO , POR TANTA BESTEIRA QUE FALA EM PUBLICO E VAI TERMINAR COMO O MARCIO MEIRA TER QUE RESPONDER NA JUSTIÇA POR TANTAS BARBARIDADES QUE VEM OCORRENDO DENTRO DA FUNAI. É MUITA CARA DE PAU DESTE PRESIDENTE QUE NÃO SABE MAIS O QUE FAZER A FRENTE DA FUNAI E FICA INVENTANDO VIAGENS E MAIS VIAGENS PARA PASSAR O TEMPO. DEVIA CAIR NA REALIDADE E PEDIR PARA SAIR COM DIGNIDADE SE É QUE EXISTE PARA ELE. VEJA BEM EM TODO O TERRITORIO NACIONAL SÓ SE ESCUTA UMA VOZ FORA DA FUNAI MARCIO MEIRA E LEVE CONSIGO SUA CORJA DE SANGUESSUGAS. QUEM É ESTA COISA QUE SE CHAMA CHICA PICANCIO DE ONDE VEIO ISTO, É UMA PENA EU NÃO ESTA AÍ EM BRASILIA QUE QUERIA VER PESSOA TÃO INCOMPETENTE ACHO QUE OS INDIOS NÃO MERECEM UM CASTIGO TÃO FORTE EM SER DIRECIONADO POR GENTE DESTA NATUREZA.

Anônimo disse...

Sr. Mercio- Ex Presidente da Funai, É uma pena ver tantas pessoas, índios e servidores, fazerem umas despedidas e agradecimentos as servidoras " ESTELA PARNES E WALDIRA BARROS, pelos trabalhos executados a frente da administração Recife. Bem sabemos que as funções de confiança são passageiras mas a marca de seus trabalhos marcarão para sempre o que foi realizado aqui em Recife, Houveram muitos erros é verdade mas que serão logo esquecidos pela falta que farão em nossos convivios, infelizmente não podemos nos identificar porque certamente virão as represálias contra os que se manifestarem em defesa das mesmas, mas que fique registrado o carinho e admiração que temos por elas mesmo que as veses mal interpretados. O que esta acontecendo aqui em Recife é uma bricadeira de mal gosto deste presidente com os servidores espero que isto passe o mais breve possivel e que Recife volte a ser novamente um cenario em defesa de nossos indigenas pernambucano. Agora que o caminho ficou livre com a saída de Estela e Waldira e que não incomodarão mas esta diretoria e que o pequeno grupo de indios Fulni-ô e Pankararu que lutaram para conseguir acertos em beneficios proprios cortados pela Estela em beneficios das comunidades indigenas fiquem a vontade para retornarem Só alertamos aos colegas de Paulo Afonso não sigam a risca as determinações do Presidente em beneficio destes grupos. vejam o que as comunidades querem e não as prejudiquem aguardem um pouco mais o desenrolar desta luta que não esta sendo em vão e no final todos venceremos.A Estela Waldira e outros colegas da Funai Recife, Maceió Paulo Afonso E João Pesso até breve que infelizmente estarei deixando também a Funai para outro orgão a não ser que esta diretoria sai antes

Anônimo disse...

FORA JÁ MARCIO MEIRA E SEU BANDO!

Moacir Melo
Indigenista

Anônimo disse...

O esfacelamento da FUNAI não é de agora. A maior prova disso está ao ler esses comentários de pessoas que não tem nada a acrescentar e assumem como posição ser CONTRA à gestão atual. É muito cômodo criticar de fora e ficar sem fazer nada a não ser postar comentários aqui neste blog. Ao invés de ficarem criticando sem nenhum embasamento, procurem trabalhar e serem úteis à causa indígena. Criticar não muda nada!

Anônimo disse...

Sobre Waldira e Estela, é uma pena mesmo! Mas sorte delas que tiveram como conseguir essa saída através de seus contatos no MJ.
E os outros? Dezenas de colegas sem alternativa a não ser ficar e resistir a esse esturpro institucuional.
Boa sorte a elas. Vaya com Dios e Hasta la vista baby

Anônimo disse...

Sr. Anonimo, não estamos criticando, estamos apenas solicitando que seja feita a coisa certa, vocês que chegaram agora e dizem estar trabalhando, dizem ser a favor do indio, o que na verdade estão apenas aprendendo, pois nunca tinha trabalhado em serviço público, estão comprando o indios com promessas que não poderam cuprir pois falta pouco tempo de mandato. só os indios não perceberam ainda, temos sim muito a acrescetar, mas para isto voces deveriam ter procurando antes de fazerem as burradas com este famigerado decreto, o qual prejudica e esta prejudicando todas as comunidades indigenas. voce deveria sim ter vergonha na cara e parar com as mentiras e promessas que não pode cuprir, voce se acha por estar em um carguinho de DAS IV, mas sua batata esta assando.

Anônimo disse...

Pediram mais uma vez a saída do Presidente Márcio Meira.

Quem será o próximo presidente do órgão? Façam suas apostas. Eu acho que não será quem já foi.

Querem conhecer o perfil do mais provável:

http://www.folhadomeio.com.br/publix/fma/folha/2007/04/semana176.html

Anônimo disse...

Com relação a minha opinião para \presidente da Funai, esccolheria com certeza a servidora Estela Parnes da ex- administração Recife. Pelo que ela fez a frente do orgão e pela coragem na luta contra o esfacelamento das administrações e postos indigenas em todo o Paìs.

Anônimo disse...

... Não concordo com a sugestão acima, pois de branco não só ela lutou, mas, continuam lutando, também, muitos outros. Se algum branco tiver que ocupar a cadeira da presidência, o melhor seria Dr. Mercio Gomes para efetuar esse período de transição, e futura passagem para os índios!!!

Anônimo disse...

Para presidente Indigena, seria o Megaron, para Presidente Branco deveria ser Chica Picanço ou Pedronio ou Levinho

Anônimo disse...

Quanta idiotisse!!!! Por isso que a Funai está como está! Um bando de gente colocando os nomes dos colegas para servir de gozação. Ô Funai que não tem remédio mesmo...Os funcionários continuam com fofocas e querendo denegrir a imagem dos colegas, se Dr. Mércio fosse tão bom, não teria saído.
Estas pessoas citadas acima, exceto a Picanso que eu não conheço, são pessoas dignas e honestas e que sempre lutaram pela causa indígena, aliás, tem muito BRANCO que daria um bom presidente da Funai sim!
Parem de chacota com o nome dos colegas, o que vcs ga\nham com isso, usem este BLOG Democrático para escreverem coisas sérias e aproveitáveis.
Perdendo tempo em desvarios idiotas.
Cresçam, somente assim, poderemos ajudar os nossos índios.

Anônimo disse...

Quanta idiotisse!!!! Se a FUNAI não tem remédio é porque atualmente lá reina o nepotismo, o autoritarismo, a perseguição, a contratação irregular, as fofocas e a metira "deslavada" em público de que o Decrto/Pres. nº7056/09 fora encomendado pelo TCU, fatos eses que contam com a complacência, não só da Sra Picanso e do conhecido Levinho.
Quanto ao ex presidente Mércio vale lembrar que na sua gestão o ministro e o Presidente Lula nunca foi tão criticado em relação a polícitica indigenista.
O Mércio pelo fez uma grande conferência com todos os povos. Coisa que o Márcio se recusa e coloca como disculpa para escamotear a incompetência de sua gestão que ora incomoda o legislativo, setores do executivo, o judiciário, a sociedade em geral e sobretudo os povos indigenas.
Procure outra forma de aparecer enquanto o indigenismo cresce cada vez mais contra essas arbitrariedades e comportamentos reacionários sem justicativas.
Ainda bem que vc reconhece que a Sra picanso nada entende de índio, nem de política indigenista e de administração pública.
Pedir para conhecer o currículo dessa Sra é fofoca?????

Anônimo disse...

Caro Mércio,

O senador Cristovam só queria sair como candidato novamente ao Senado num acordo petista, esqueceu o que ouviu e prometeu aos índios.Etá democracia!

Anônimo disse...

Concordo plenamente que a Funai seja entregue futuramente para os índios, inclusive aos grandes e ilustres nomes indígenas existentes, e também altamente qualificados. Porém, nesse momento crítico, o ideal seria que o experiente Dr. Mércio fizesse essa transição por um determinado período, arrumando a casa, e reconstruindo-a, decorrente dessa grande catástrofe ocorrida dentro do Órgão. Se o mesmo saiu, não foi por incompetência, muito pelo contrário, o mesmo fez o que muitos dantes não o fizeram, e obviamente, como antropólogo verdadeiramente indigenista, iria resistir às mudanças impostas pelo atual governo. Márcio Meira já veio como carta marcada para tal finalidade, como um trator de esteira..., e sem compromisso com a causa indígena original de Rondon!

Moacir Melo
Indigenista

Anônimo disse...

Caro Mércio,

Veja a foto do Senador Cristovam na matéia da jornalista Yara Faria Borges, de dedo em riste como se fosse tomar alguma providência ou num gesto de arrogância e prepotência digna de um poderoso, bem diferente de um representante do povo. Os eleitores brasiliense estão avaliando essa postura e nas urnas surgirá a resposta. Esse próximo pleito com certeza será recheiado de surpressas!

Anônimo disse...

Caros colegas!! concordo em tese em alguns nome p/ assumir a Pres. da FUNAI, e até tive o disprazer em conhecer um dos citados esse tal de Petronio, quando ele esteve em C.Gr-MS a mando deste Pres. Marcio Meira,para intervir que no meu ver os dois são farinha do mesmo saco,o cara veio p/ arrumar a casa e resolver os problemas,e ainda indicou outro bandido da mesma laia dele para comandar a Regional que hj se encontra uma lastima. hahaa.. faz me rir seu (Petronio)

Anônimo disse...

Mércio,
E agora que tdo mundo sabe o procurador mentiu nas audiências públicas realizadas no Congresso, principalmente a mentira desfeita pelo TCU órgão auxiliar do legislativo? Como fica o parlamento brasileiro e os nossos respeitados deputados e senadores. Se o Busunda estivesse vivi, diria que ficaram com cara de bundão.
Será que a lei vale para tdos?
assina:
BRASIL LEGAL!!!!!!!!!! "UM PAÍS DE TODOS?"????????????????????????????

Anônimo disse...

Mércio,
E agora que tdo mundo sabe o procurador mentiu nas audiências públicas realizadas no Congresso, principalmente a mentira desfeita pelo TCU órgão auxiliar do legislativo? Como fica o parlamento brasileiro e os nossos respeitados deputados e senadores. Se o Busunda estivesse vivo, diria que ficaram com cara de bundão.
Será que a lei vale para tdos?
assina:
BRASIL LEGAL!!!!!!!!!! "UM PAÍS DE TODOS?"????????????????????????????

Anônimo disse...

Mércio,
E agora que tdo mundo sabe o procurador mentiu nas audiências públicas realizadas no Congresso, principalmente a mentira desfeita pelo TCU órgão auxiliar do legislativo? Como fica o parlamento brasileiro e os nossos respeitados deputados e senadores. Se o Busunda estivesse vivo, diria que ficaram com cara de bundão.
Será que a lei vale para tdos?
assina:
BRASIL LEGAL!!!!!!!!!! "UM PAÍS DE TODOS?"????????????????????????????

Anônimo disse...

Como é que esta pessoa pode chamar os colegas de bandidos? Vc o conhece por acaso?

Já disse e repito, a FUANI merece passar pelo que está passando...por causa de funcionários desse tipo acima. Ninguém pode ser chamado de bandido, sem a devida prova. Todos têm uma história e um bom trabalho feito pela causa indígena.
Se a Funai está hoje como está e pq existem pessoas que, ao invés de sentar e trabalhar, ficam achincalhando os colegas com inverdades.
Vá trabalhar seu vagabundo e pare de falar de pessoas dignas como o Dr. Petronio.

Anônimo disse...

É, TEM PESSOAS RIDÍCULAS E INVEJOSAS MESMO....FALAR DE PETRONIO, UMA PESSOA TÃO DIGNA! ISSO É QUE É SER INVEJOSO(A)....HEHEHEHEHE

TENHA VERGONHA!

Anônimo disse...

Gente! Quanta baixaria! O anônimo acima tem que medir suas palavras. Não se pode falar assim dos colegas, os nossos inimigos são outros.
Estamos vendo o tipo de funcionário que a FUNAI tem, não é mesmo? Fica fácil entender porque a FUNAI está nesta merda e neste marasmo, o tipo de pessoas que a compõe não ajuda, deixando flancos abertos pra quem quiser, como esse Sr. Márcio Meira, fazer o que bem entende.
Meu amigo, respeite os colegas, como é que vc pode falar um absurdo desse contra uma pessoa respeitada e honesta como Petronio?
Recolha-se a sua insignificância e procure respeitar as pessoas..

Anônimo disse...

ELE VEIO A CAMPO GRANDE E RESOLVEU OS PROBLEMAS. A INDICAÇÃO DE UM NOVO ADMINISTRADOR FOI DOS PRÓPRIOS ÍNDIOS E NÃO DELE, SÓ VC QUE É MUITO INVEJOSO , NÃO SABE.

COMO PODE? A FUNAI AINDA TEM ESTE TIPO DE COLEGA QUE NÃO TRBALHA, MAS É BOM PRA CRITICAR OS OUTROS. TE ENXERGA E PARE DE CRITICAR QUEM TRABALHA.

Anônimo disse...

Caro amigo anônimo.

Conhecemos po trabalho do Dr. Petronio e sabemos de sua lealdade e seriedade com a causa indígena, se vc não gosta dele, guarde seus desafetos e pare de ficar falando o que não sabe, simplesmente pelo prazer de falar.

Quem trabalha e luta pela causa sabe da seriedade do mesmo.

Vá trabalhar com ele.

Anônimo disse...

QUANTA DESUNIÃO NA FUNAI, ATÉ OS QUE TRABALHAM SÃO CRITICADOS. QUE COISA FEIA GENTE.

É POR ISSO QUE ESTAMOS AQUI E "UNIDOS" PARA CONSERTAR ESSA BAIXARIA TODA. OS ANTIGOS AQUI SE DEVORÃO, CRUZ CREDO! KKKKKKKKKK

VÃO TRABALHAR GENTE, O DECRETO É SÉRIO.

Anônimo disse...

Depois querem que agente ache que na Funai tem pessoas sérias. São um bando de desunidos e fofoqueiros, isto sim.......!!!!!!!
Que reino de fáz-de-conta existia não é?

A UNIÃO FÁZ A FORÇA e é isso que estamos fazendo agora na FUNAI.

Anônimo disse...

ANÔNIMO QUERIDO, SE VC DIZ QUE TEVE O DESPRAZER DE CONHECER UM DOS CANDIDATOS É PQ VOCÊ, COM CERTEZA, DEVE ALGUMA COISA. PQ FICOU COM TANTO MEDO DELE?

AÍ TEM VIU!!!!! CRITICAR QUEM TRABALHA COM HONESTIDADE É MEIO DUVIDOSO.

VÁ TRABALHAR COMO MANDARAM ACIMA, VÁ FAZER ALGO ÚTIL PELOS ÍNDIOS, ATÉ QUANDO VC VAI FICAR SÓ CRITICANDO?

Anônimo disse...

A todos esses defensores do Srº Petronio, que defendem ele é por que não esta vivenciando ok nós Indios, Terena,Kadiwel,Guato,Kinikinawa, Atikum e Ofaié,estamos hj em C.GR-MS,com certeza vivem ai no ar condicionado,se fazendo que trabalha, e mais, como dito acima vai trabalhar por que vcs sim, tem que trabalhar p/ nós, afinal vcs são funcionarios desta fundação e recebem por isso,quanto ao Srº Petronio mencionei,por que o mesmo indicou um bandido que responde varios processos administrativos,e todos a conhecem e até digo o nome, ( Jorge Antonio das Neves) tanto é que o proprio Presidente não o nomeou,e tem mais meus caros, só p/ vcs saberem não foi os indio que o escolheu o Administrador na epoca e sim, Srº Petronio que fez manobras p/ o mesmo assumir, fazendo uma eleição onde ouve um empate, e para desempatar escolheu quatro pessoas do lado dele p/ votar denovo logo em seguida, e por isso estamos à mais de um ano sem Administardor ou Coordenador, e vcs ainda vem defender esse cidadão me poupe e respeite nosso povo, ele pode até ser o menino prodigio e bonzinho, mas pode ficar com ele ai com vcs ok!

Anônimo disse...

VCS SÃO TÃO BONZINHOS QUE NINGUÉM QUER ASSUMIR A ADMINSTRAÇÃO! SERÁ PORQUE HEIM MEU CARO?
AS COISAS AÍ ANDAM TÃO CERTINHAS NÃO É MESMO? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
FÁZ-ME RIR!

TODOS NÓS SABEMOS O QUE ACONTECE AÍ E VC NÃO PODE FALAR EM NOME DE TODAS AS ETNIAS, VC NÃO TEM AUTORIDADE PARA FALAR POR TODOS ELES, GRANDE PRETENSÃO A SUA!

Anônimo disse...

Meu Caro, vc é digno de pena!

Temos problemas maiores, na tual situação da Funai, por exemplo, temos que nos unir e defender a Funai e não ficar de picuinhas e baixarias como as que vc fáz. cresça e apareça meu amigo!

É fácil criticar os colegas da Funai, vc não sabe o que eles passam e por quais situações eles passam para defender a causa indígena.

Sabe de uma coisa, agora estou entendendo pq vcs índios estão a 500 anos neste marasmo, não sabem, nunca souberam e nunca vão saber, reconhecer o nosso trabalho.

Não dão valor a nenhum funcionário que trabalha e sim aos picaretas de plantão.

Tenho pena de vc meu caro! Muita Pena, são mais 500 anos pela frente.

Anônimo disse...

Pôxa, quanta prepotência deste cidadão que fala que o Sr. Petronio tem defensores. Coitado.
A questão não é a defesa e sim, o reconhecimento, por se tratar de pessoa ilibada no serviço público.
Temos que nos defender pessoal, do Decreto, da Cúpula e de alguns índios que acham que podem denegrir a imagem de nós funcionários da FUNAI.
Sempre fomos fortes e continuaremos a ser.
União é a melhor solução pessoal.

Anônimo disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
É MUITA POBREZA DE ESPÍRITO, AGENTE COM TANTOS OUTROS PROBLEMAS E MAIS SÉRIOS, TENDO QUE OUVIR ESTE CIDADÃO FALAR DE PETRONIO......KKKKKKKKKKKKKKKKKK

COLEGAS, VAMOS CONTINUAR LUTANDO CONTRA ESTE FAMIGERADO DECRETO, PERDER TEMPO COM IDIOTISSES É DEMAIS PRA MIM!

NOSSOS INIMIGOS ESTÃO AQUI DENTRO DA SEDE DA FUNAI E CADA DIA CHEGANDO MAIS.....

Anônimo disse...

O Dr. Petronio não é só BONZINHO meu amigo, ele também é leal, honesto e sério no que fáz.

Se vc não sabe respeitar as pessoas, é melhor ficar calado. Vc lucra muito mais.

Vc é muito petulante, não devia falar por todas as etnias, fale somente por vc, que com certeza não sabe reconhecere o bom trabalho dos funcionários da FUNAI.

Nós daqui da sede, estamos preocupados com o desmonte da Funai e não, preocupados em ficar achincalhando os colegas que tanto lutam pela causa indígena.
Tenha mais respeito com as pessoas. Nem Deus meu amigo, conseguiu agradar a todos, vc sabia disso?

Anônimo disse...

Se passando por índio não é?? falando por todas as etnias não é? coitadinho.
Em vez de ficar criticando quem trabalha, pq vc, ao contrário so sabe ficar jogando paciência na internet e perseguindo os outros, vá trabalhar um pouco. voce pensa que engana a quem?

seu mau caratismo todos conhecem........hehehehehe

Anônimo disse...

OS INIMIGOS DOS ÍNDIOS SÃO A TURMA DO SENHOR MARCIO MEIRA. SE VC TEM INVEJA DE FUNCIONÁRIOS QUE TRABALHAM, FICA DIFICIL MEU AMIGO.
ASSIM COMO TEM ÍNDIO BOM, TEM OS ÍNDIOS PICARETAS E O MESMO OCORRE NA FUNAI, TEM GENTE PICARETA QUE NÃO TRABALHA E PASSA O DIA TODO JOGANDO PACIENCIA NA INTERNET, COMO DITO ACIMA, TEM AQUELES QUE ABRAÇAM A CAUSA E SÃO HONESTOS.

MAIS QUINHENTOS ANOS PRA VCS PENAREM, POR PURA BURRICE.

ACORDEM PRA TRISTE REALIDADE DA FUNAI, O QUE VAI SER DAQUI ALGUNS ANOS? VCS SÃO BURROS! ESPANTAM QUEM PODE AJUDÁ-LOS. MAIS QUINHENTOS ANOS.......COITADOS.

Anônimo disse...

sou o anonimo do dia 16 de maio de 2010 18:19. Eu não falei mal do Sr. Petronio, eu apenas comentei que ele poderia ser indicado para Presidente da FUNAI, pois para minha pessoa ele é integro e repeitado em João Pessoa, pesso desculpas se a minha indicação fora interpretada de mal forma, tenho certeza que ele daria um otimo presidente, diferente de muitos servidores que passaram pela presidencia e de nada fizeram pelas comunidades indigenas.

Anônimo disse...

DR. MERCIO

TÁ NA HORA DE DAR UM BASTA NESSE BLOG POIS É MUITA BAIXARIA E ESTÁ SERVINDO DE TABULEIRO PÚBLICO PARA A DIVISAO DOS INDIOS E DOS INDIGENISTAS TRAZENDO MUITO PREJUIZO PARA A CAUSA INDIGENA NO BRASIL. O SR. ESTÁ APOIANDO O ATRAZO DO INDIGENISMO COM O SEPULTAMENTO DO CONSELHO NACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS QUE FOI EM VOTAÇÃO NA CAMARA E NÃO PASSOU. TANTO QUE O SR. LUTOU POR ISSO...
TUDO ISSO PORQUE O SR. TB ESTÁ APOIANDO UMA FACÇÃO LIDERADOS POR CARLOS PANKARARU E KORUBO, COMO ALGUEM NO PROPRIO BLOG FALOU, TODOS SABEM QUEM SÃO.

O SR. ESTÁ SE COLOCANDO CONTRA A REESTRUTURAÇAO QUE O SR. SEMPRE DISSE QUE TINHA QUE SER FEITA E NAO CONSEGUIU POR CAUSA DAS RESISTENCIAS. ENTÃO SE O SR. QUISER FAZER UM BEM PARA O INDIGENISMO BRASILEIRO, SERIA BOM ACABAR COM ESSE BLOG E DEIXAR DE SER UMA INSTRUMENTO DE DISCÓRDIA, QUE NÃO SERVE A NINGUEM... NEM PARA O SR.... E NEM PARA O INDIGENISMO....

Anônimo disse...

Prezado Mércio e leitores do seu BLOG,
Não entendi a atitude de um ANÔNIMO que resolveu me destratar e injuriar, pelo fato de alguém haver lembrado despretensiosamente do meu nome, como alternativa para uma improvável mudança na direção da Funai.
Em respeito aos índios e servidores que tiveram a consideração de defender a minha honra, criminosamente injuriada por uma pessoa que sequer teve coragem de se identificar, apresento abaixo alguns esclarecimentos:
1- Não indiquei nenhum nome para ser avaliado e aprovado para assumir a AER Campo Grande em 2.008, pois tratava-se de uma premissa exclusiva do Conselho de Lideranças, cujas decisões tomadas a portas fechadas, foram integralmente respeitadas e encaminhadas pela minha pessoa;
2- Aceitei assumir interinamente a AER Campo Grande, durante a gestão do Presidente Márcio Meira, com a mesma responsabilidade que aceitei outros desafios em prol da Funai em gestões anteriores, muito antes de conhecê-lo;
3- Tentar me acusar de manipular as decisões do Conselho de Lideranças, é subestimar a autonomia e a legitimidade dos Caciques daquela Regional ;e
4- Se algum dia a pessoa que tentou macular minha reputação, tiver a coragem de assumir a autoria da atitude acima, faço questão de comparecer a AER de Campo Grande, para tirarmos as dúvidas pessoalmente, perante aquele digno Conselho de Lideranças e os demais colegas injuriados.
Petrônio Machado
Engenheiro SIII - FUNAI

Anônimo disse...

Caro Mércio,

Tenho que dar o meu testemunho da honestidade e competência que o servidor Petrônio é possuidor, trabalhei com ele durante cinco anos na Administração da FUNAI/RECIFE, onde o mesmo sempre demonstrou ser uma pessoa competente e de uma dedicação a questão indígena sem igual.
Moacyr Lyra

 
Share