quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Drops Indigenistas -- 8

1. A repercussão do caso do convênio estabelecido entre a Funai e a Ong CTI está deixando constrangidos muitos indigenistas e sertanistas de alta cepa no meio indigenista. Alguns deles estão reunidos em Brasília para definir os termos do convênio com mais precisão. O convênio não esclarece de onde virá o dinheiro, nem como será usado. É apenas um "guarda-chuva" para outros convênios serem inseridos como adendos. Por isso os indigenistas terão que fazer programas de aplicação definindo o arco de ação do convênio e os recursos a serem alocados.

A principal financiadora desses convênio adendados, referentes só aos povos indígenas em isolamento, é a USAID, a agência de desenvolvimento internacional, de triste memória para quem participou da luta contra a ditadura militar, mas que parece que anda interessada em questões amazônicas. A USAID já vem patrocinando estudos e programas dos ISA, da ACT, da OPAN, bem como do CTI, Conservation International e outras Ongs com atuação na Amazõnia.

O valor do financiamento da USAID é de cerca de 5 milhões de dólares (US$ 5.000.000).

Not bad! Dá até para se mudar para São Paulo e viver bem.


2. Jorge das Neves, o Jorge Gaguinho, que fora nomeado administrador da AER de Campo Grande, MS, com os votos da maioria dos 38 caciques Terena, desistiu do cargo. Pediu demissão após 45 dias. Pensava que ele fosse ficar mais um pouco. Parece que a pressão veio da presidência da Funai, após receber comunicação do Ministro Tarso Genro de que o governador Puccinelli não estava satisfeito com os pedidos de ajuda que ele estava fazendo ao estado.

Será que foi essa a razão? Jorge estava em Brasília com cinco caciques Terena pedindo recursos para consertar os sistemas de água das aldeias. Acreditava que fosse atendido. Santa ingenuidade.


3. Um dos advogados do CIMI, Claúdio Beirão, que foi assessor do Ministério da Justiça nos três primeiros anos do primeiro governo Lula, escreveu um artigo lamentando que o presidente Lula não tivesse homologado sequer UMA terra indígena no ano passado.

Na verdade, esta é a primeira vez desde 1973 que nenhuma terra indígena é homologada num ano inteiro.

E olha que a nova administração da Funai entrou com a panca de que iria dar continuidade e até acelerar as demarcações de terras indígenas. Belo resultado!

Como o CIMI está apoiando fervorosamente a atual direção da Funai, com assento no CNPI e tentando emplacar uma direção favorável a eles na Coiab, Beirão arrefece a crítica, esquece o número pífio de portarias da Funai de reconhecimento de terras indígenas, mas se consola dizendo que, entretanto, teriam sido criados mais de 60 Grupos de Trabalho para reconhecer novas terras indígenas.

Ora, ora, quase todos esses GTs nem saíram do papel, os poucos que saíram estão parados, o Lula já disse que não demarca terras no Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Santa Catarina e Rondônia, e o ex-coordenador-geral de reconhecimento de terras indígenas caiu fora da Funai às turras com a diretoria de assuntos fundiários por discordâncias de objetivos, de método e de estilo.

Belo artigo!


4. O grupo de Terena e Guarani Kaiowá que sentara praça na calçada da sede da Funai, há mais de três semanas, protestando contra a presença da atual administração da AER Dourados, em Dourados, MS, foi retirado do local pela Polícia Federal.

Mudou-se para a Praça do Centenário, em frente. Não vai arredar pé. O movimento está firme e seguro do que quer, não se importando com as críticas de que é minoritário.

Por outro lado, os líderes velhos Guarani resolveram convocar nova Assembleia Geral, o Aty Guassu, para o início de março, para resolver essa questão. Fica ou não fica a Nicolleti? O pessoal do CIMI e das Ongs interessadas já está se movimentando.


5. Por mais que não se detecte de cara, o fato é que a grande maioria dos povos indígenas está de saco cheio com a presença contínua de Ongs neoliberais em torno deles. As exigências que fazem para que se comportem conforme os ditames políticos adequados deixa os índios enfurecidos. Uma nova leve de ex-estudantes da USP e de outras faculdades paulistas se emprega nas Ongs indigenistas e são doutrinados a pensar como elas. Aí fica mais difícil ainda.

O que está ficando evidente para os índios é que a Funai está cheia de pessoas que fazem parte de Ongs, alguns que são ou foram dirigentes e é das Ongs que estão saindo as diretrizes de ação do órgão.

A paciência dos índios tem limites.

4 comentários:

Cavalleiro disse...

Pô Mércio,
Antes vc pegava mais leve com a Nicolleti por minha causa, mas agora resolveu ir no pescoço, rsrsrs. Para variar, vc poderia criticar mas também reconhecer os méritos da moça.

Anônimo disse...

Que moça é essa ?

Cavalleiro disse...

Que anônimo é esse? Bom, a "moça" em questão é a atual Administradora da FUNAI em Dourados/MS, Margarida Nicolleti, cuja cabeça alguns índios estão pedindo. Índios ligados aos grupo político do governador do estado e do prefeito de Dourados que são contra a ampliação das terras Guarani-Kaiowa. O meu prezado Mércio pega no pé da coitada, a partir das informações, creio eu, de alguns servidores do órgão que não gostam dela. Mas eu afirmo que, apesar de algumas falhas gerenciais e políticas, por falta de maior experiência, ela é uma pessoa séria e comprometida com os índios. Comprou boas brigas com evangélicos proselitistas que violam a religiosidade tradicional dos índios; peitou a FUNASA e juízes da região por conta de crianças indígenas que são colocadas para a adoção de não-índios e potencializou o setor de atividades produtivas "com o apoio de algumas pessoas do MDS (rsrsrs)". Ou seja, é essa a moça.

jose manoel disse...

Que cara de pau do sr. Mercio. Foi o mais desastrado administrador da FUNAI nos tempos da democracia. Quando esteve no comando do órgão, ele e seu braço manco, Nadja Bindá, conseguiram atrapalhar todo o processo de regularizaçao fundiária das terras indígenas. Na época transformou-se em um constrangimento para a ABA (Associaçao Brasileira de Aantropologia)pelo sua inoperancia.
Nada contra as críticas, que sao pertinentes (principalmente às contra o convenio CPI-FUNAI), mas tirar o corpo fora do assunto "terras indígenas" é esquecer seu passado recente à frente do órgão.

 
Share