terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Indigenista Rogério Oliveira lamenta extinção das AERs


“Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece, como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.”
(Clarisse Lispector)


“Uma AER é uma AER, tem história, tem pessoal qualificado, tem tradição e relacionamento com os índios. Produz conhecimento, ação indigenista. Constroi e destroi coisas belas, como na canção de Caetano. Já produziu conflitos, sem dúvida. Funcionário às vezes é pressionado, índio às vezes é enganado. Quem há de negar isso? Entretanto, ao longo dos anos, índios e funcionários se conheceram, se aquilataram, sabem até onde seu relacionamento pode ser positivo.”
(Mercio Gomes)


Hoje, diversas Administrações Regionais e Postos Indígenas da Funai foram oficialmente extintas. Nada em seu lugar. Nenhuma explicação. Nem para seus funcionários, nem para os Índios, seus principais ocupantes.
Sequer lhes foi dada uma oportunidade de uma última visita. Nem destes às Administrações, nem daqueles às Terras Indígenas.
Era o mínimo que se podia lhes oferecer. Ritualisticamente, esse é um dos ensinamentos que os índios sabiamente nos ensinaram. Comemorar começos e fins. Nascimento e morte.
Não haverá despedidas. Apenas o silêncio de uma Portaria 141 de 02/02/2010.
São histórias. Histórias de vidas. Que já produziram conflitos, como bem dito na citação acima. Mas que fundamental e principalmente, consolidou e possibilitou a permanência de uma instituição única,  chamada FUNAI.
Parabéns a todos vocês, funcionários destas extintas Administrações Regionais e Postos Indígenas, por suas histórias anônimas, suas cumplicidades, erros e acertos nos anos de relacionamentos com tantas comunidades indígenas.
Todos nós, servidores de Brasília, na segurança do emprego mantido, lhes devemos agradecimentos pelas acolhidas em nossas viagens, informações recebidas e utilizadas em nossos relatórios, pelos acompanhamentos e apresentações às comunidades indígenas, pelos consertos de carros e motores de barcos em viagens por estradas e rios só por vocês conhecidos, enfim, por dicas vitais que nos salvaram de diversos  “micos”.
São tempos de mudanças, é certo. Pena que a vocês não foram dadas oportunidades de colaborar, com suas experiências e convivências de anos de dedicação.  
E hão de lamentar tal equivoco. O prejuízo será enorme e só tardiamente sentido. 

25 comentários:

Anônimo disse...

mais uma vez Rogerio, para vc tiro o chapeu

Anônimo disse...

Infelismente este tipo de politica para eles era o necessario, nos indigenistas e indios descordamos, mas ninguem que ouvir a voz do povo.

Anônimo disse...

“Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece, como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.”
Muitas pessoas de luta se renderam pois tem a esperança que a turma que ai se encontra é passageira, pois mandato esta por fim, começando a nova era

Anônimo disse...

Tua caminhada ainda não terminou....
A realidade te acolhe
dizendo que pela frente
o horizonte da vida necessita
de tuas palavras
e do teu silêncio.

Se amanhã sentires saudades,
lembra-te da fantasia e
sonha com tua próxima vitória.
Vitória que todas as armas do mundo
jamais conseguirão obter,
porque é uma vitória que surge da paz
e não do ressentimento.

É certo que irás encontrar situações
tempestuosas novamente,
mas haverá de ver sempre
o lado bom da chuva que cai
e não a faceta do raio que destrói.

Tu és jovem.
Atender a quem te chama é belo,
lutar por quem te rejeita
é quase chegar a perfeição.
A juventude precisa de sonhos
e se nutrir de lembranças,
assim como o leito dos rios
precisa da água que rola
e o coração necessita de afeto.

Não faças do amanhã
o sinônimo de nunca,
nem o ontem te seja o mesmo
que nunca mais.
Teus passos ficaram.
Olhes para trás...
mas vá em frente
pois há muitos que precisam
que chegues para poderem seguir-te.

Charles Chaplin

Anônimo disse...

XÔ TARSO GENRO!! XÔ MARCIO MEIRA E SEU BANDO TIRANO E CRUEL!!!! JÁ VAI TARDE!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Novo ministro da Justiça deve ser anunciado no início da próxima semana
Marcos Chagas
Da Agência Brasil
Em BrasíliaPrimeiro ministro da equipe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a deixar o cargo, Tarso Genro disse nesta terça-feira (2) que o nome de seu sucessor deve ser anunciado três dias antes de sua saída oficial no dia 10 de fevereiro. Na conversa que teve hoje (2) com o presidente Lula foram analisados os nomes do atual secretário executivo, Luiz Paulo Barreto, e do deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP).

“Ele [Lula] fez uma avaliação de todo o quadro, levantou esses nomes que vocês estão acostumados a divulgar agora, mas só vai fazer sua opção provavelmente três dias antes do dia 10”, disse o ministro da Justiça ao deixar o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede provisória do governo.

Na reunião, Tarso Genro disse ao presidente que os dois nomes “são absolutamente compatíveis” para assumir o Ministério da Justiça até dezembro. Aos jornalistas, ele ressaltou que a escolha pessoal de Lula ocorrerá “em função dos critérios que ele adotar nas substituições”.

O ministro informou que já tinha encaminhado o pedido de exoneração ao presidente para que sua saída ocorresse no dia 10. Na reunião, ele apresentou um relatório dos projetos em andamento com o objetivo de demonstrar que não haverá qualquer problema de continuidade com a antecipação de sua saída da equipe ministerial.

“Os projetos estão todos fechados, com bom nível de andamento e a relação federativa que estabelecemos com relação à segurança pública já começa a dar resultados no país”, afirmou Tarso.

Anônimo disse...

maior que presidente da república, maior que minsitro,maior que presidente da funai "capacho de ong's" é DEUS; Venceremos pois Deus está ao nosso lado.

Anônimo disse...

PARA REFLETIR APENAS

Uma mulher branca, de aproximadamente 50 anos, chegou ao seu lugar
na classe econômica e viu que estava ao lado de um passageiro negro.
Visivelmente perturbada, chamou a comissária de bordo.
'Qual o problema, senhora?', pergunta uma comissária..
'Não está vendo?' - respondeu a senhora - 'vocês me colocaram ao lado de um negro. Não posso ficar aqui. Você precisa me dar outra cadeira'
'Por favor, acalme-se' - disse a aeromoça - 'infelizmente, todos os lugares estão ocupados. Porém, vou ver se ainda temos algum disponível'
A comissária se afasta e volta alguns minutos depois.
'Senhora, como eu disse, não há nenhum outro lugar livre na classe
econômica.Falei com o comandante e ele confirmou que não temos mais nenhum lugar mesmo na classe econômica. Temos apenas um lugar na primeira classe'. E antes que a mulher fizesse algum comentário, a comissária continua:
'Veja, é incomum que a nossa companhia permita à um passageiro da classe econômica se assentar na primeira classe. Porém, tendo em vista as circunstâncias, o comandante pensa que seria escandaloso obrigar um passageiro a viajar ao lado de uma pessoa desagradável'.
E, dirigindo-se ao senhor negro, a comissária prosseguiu:
'Portanto senhor, caso queira, por favor, pegue a sua bagagem de mão, pois reservamos para o senhor um lugar na primeira classe...'
E todos os passageiros próximos, que, estupefatos assistiam à cena, começaram a aplaudir, alguns de pé.
Se você é contra o racismo, envie esta mensagens aos seus amigos, mas não a delete sem ter mandado pelo menos a uma pessoa.
'O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons...'

Anônimo disse...

O Fim da Funai e das AERs !

Discriminalização racial e social contra os índios:
O ato simbólico mais evidente de como seria a relação do “Custer” Márcio Meira com os povos indígenas ficou evidenciada na cerimônia da transmissão da função de presidente da Funai (Dr. Márcio Gomes para o indivíduo anteriormente citado).
Olhos mais atentos perceberam que foram colocados vários copos para servir água aos que discursaram.
- Para os “ongueiros neoliberais” copos de vidro, aos índios copos plásticos-.
Foi então estabelecida a diferença que tomaria as proporções de hoje: Guarda Nacional armada para expulsar, bater e prender índios, além de toda a arbitrariedade que já foi relatada neste Blog e em outros importantes veículos de comunicação.

A desmoralização dos Administradores e seus substitutos ocorreu em dois momentos.
Um deles, no primeiro seminário/oficina no hotel-fazenda em Sobradinho-DF. Quem foi, lembra que ganharam camisetas vermelhas semelhantes a do MST e pastinhas com um grafismo desconhecido (“by Mª Helena Fialho”); não receberam diárias (ilegalmente, porque deveriam receber pelo menos 50% como rege a Norma sobre diárias e passagens). Silenciaram diante de todo aquele engodo que lhes foi relatado !!!!

Outro momento foi na reunião na sede da Funai quando o então Diretor de Administração, “reaça” Celso Alberici disse que todos eram velhos superados que estavam ali somente esperando o plano de carreira para se aposentarem !!!
Falou arbitrariedades, humilhou mesmo. Quem foi, lembra da ameaça de “cortar diárias” de quem saísse da sala para fumar ou conversar outro assunto distinto de ouvir as baboseiras da direção. Todos silenciaram novamente!!!!!

Não sei o motivo do silêncio. Eram dezenas de servidores indigenistas contra (no sentido argumentativo) apenas três inexperientes e aventureiros diretores.
Talvez por medo? De perder a função???

Enfim,
Agora é tarde? Acabou ? Não sei !!!
Creio que “...nós podemos reverter”

Segue um pensamento mais duro e sincero:

“É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar.
É melhor tentar, ainda que em vão que sentar-se, fazendo nada até o final.
Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias frios em casa me esconder.
Prefiro ser feliz embora louco, que em conformidade viver”
(Martin Luther King)

Anônimo disse...

O COMBINADO
VIROU O JOGO
COM AJUDA DO BANDEIRINHA

Porto Velho protesta
=> combinado 17 x 19 indigenismo

12 Administradores e equipes exonerados
=> combinado 18 x 19 indigenismo

63 Chefes de Postos exonerados
=> combinado 19 x 19 indigenismo

Levinho completamente impedido também fez o dele
(Cariry exonerada)
=> combinado 20 x 19 indigenismo

Anônimo disse...

A IN abaixo foi publicada no DOU 1, de 8-jan-2010, p. 49:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 7 DE JANEIRO DE 2010

Dispõe sobre o controle de nomeação de não servidores de carreira para cargos do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS, níveis de 1 a 4, no âmbito da Administração Pública Federal.

O SECRETÁRIO DE GESTÃO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto nº 6.944, de 21 de agosto de 2009, e tendo em vista o disposto no Decreto nº 5.497, de 21 de julho de 2005, resolve:

Art. 1º A nomeação de não servidor de carreira para ocupar cargo em comissão do Grupo Direção e Assessoramento Superiores - DAS - da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, níveis 1 a 4, prevista no Decreto no 5.497, de 2005, obedecerá ao disposto nesta Instrução Normativa.

§1º Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se como servidor de carreira os servidores, ativos ou inativos, oriundos de órgão ou entidade de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, suas empresas públicas e sociedades de economia mista, ocupante de cargo ou emprego permanente no qual ingressou mediante concurso público ou, se em data anterior a 5 de outubro de 1988, mediante forma de provimento permitida pelo ordenamento da época de ingresso.

§2º O disposto no §1º aplica-se ao militar das Forças Armadas, agregado ou inativo, e ao militar do Distrito Federal.

Art. 2º Serão ocupados exclusivamente por servidores de carreira os seguintes cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS da administração pública federal direta, autárquica e fundacional:

I - setenta e cinco por cento dos cargos em comissão DAS, níveis 1, 2 e 3; e

II - cinqüenta por cento dos cargos em comissão DAS, nível 4.

Art. 3º O procedimento de consulta prévia a que se refere o §3º do art. 1º do Decreto no 5.497, de 2005, será efetuado mediante preenchimento e envio por meio eletrônico de formulário próprio disponível no endereço www.siorg.gov.br.

§1º A consulta será realizada por servidor previamente cadastrado junto à Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - SEGES/MP, indicado pela autoridade competente do órgão setorial ou seccional do SIORG.

§ 2º A resposta à consulta será enviada por meio de mensagem eletrônica, datada e numerada e dirigida ao servidor responsável pela consulta, e fará prova de que o percentual de cargos providos por servidores de carreira, aferido para o conjunto dos órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, atende ao disposto nos incisos I e II do Art. 1o do Decreto no 5.497, de 2005. §3o A análise da SEGES/MP restringir-se-á unicamente à verificação da disponibilidade de vagas para não servidor de carreira, nos termos do §2º do Art. 1o do Decreto no 5.497, de 2005.

Art. 4º O ato de nomeação de não servidor de carreira deverá ser publicado no Diário Oficial da União no prazo máximo de sessenta dias, contados da data da mensagem de correio eletrônico enviada em resposta à consulta correspondente.

Parágrafo único. Expirado o prazo estabelecido no caput, o ato de nomeação do não servidor de carreira somente poderá ser publicado após nova consulta.

Art. 5º As consultas apresentadas em desacordo com esta Instrução Normativa serão consideradas insubsistentes e não serão respondidas.

Art. 6º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação, exceto quanto ao procedimento eletrônico de que tratam os artigos 3º e 4º que entrará em vigor 45 dias após a data de sua publicação.

Será que na FUNAI isto é respeitado?
Vamos denunciar.

Anônimo disse...

Presidente da República não recebe presidente da CUT, mandou um assessor passar o recado, dizendo ao Sérgio Goiana que procurasse o presidente da FUNAI, como era de se esperar.

Pelo o que demonstra é um homem sem palavra, e de gente assim não se pode esperar nada.

O presidente da FUNAI está de posse de uma carta enviada por um índio fulnio chamado MAX, que não representa os indios Fulni-ô, fazendo comentários a respeito da AER Recife, só que este Indígena nunca contribuiu com o crescimento da etnia, quando ia para FUNAI Recife era para conseguir recursos para ele, e agora quer aparecer como o bonzinho, procurem saber a respeito da pessoa dele para ver o que vão encontrar.
Ameaçava os servidores, fisica e moralmente, não demonstrava um pingo de respeito por ninguém.

Agora virou defensor dos direitos dos índios Fulni-ô, quando os índios souberem disso a coisa não vai ficar boa.

Anônimo disse...

tenho a certeza que sim, pois a sabedoria é uma arte e como todos estão acima da lei, eles podem.

Anônimo disse...

Lideranças sociais e moradores de Altamira criticam licença da usina de Belo Monte



Agência Brasil

Publicação: 02/02/2010 18:13

A licença para a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, assinada ontem (1º/2), em Brasília, pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e o presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Roberto Messias, preocupa lideranças sociais e moradores da região.

Para o presidente do Conselho Indigenista Missionário, dom Erwin Krautler, a usina não pode ser construída. O religioso, que há 40 anos é bispo de Altamira, município no qual está inserido o empreendimento, alerta que a obra vai impactar os índios, ribeirinhos e ainda os moradores da área baixa de Altamira.

"Não se pode, baseado nessas condições, tocar a obra para a frente. Será um desastre. A terça parte de Altamira vai para o fundo. Isto significa que, no mínimo, 30 mil pessoas serão atingidas. Não tem um estudo a respeito disso. Eu não sei como se pode liberar um licenciamento nessas condições", disse.

Segundo o bispo, haverá redução da correnteza do Rio Xingu, o que vai afetar a pesca. Ele também enfatizou que os índios da região não aceitam ser transferidos para um local distante de onde viveram seus antepassados e onde não dominam os meios de sobrevivência. Dom Erwin lamenta que o governo federal não tenha escutado a opinião das comunidades locais e nem autoridades científicas de alto nível que apontam a inviabilidade do projeto.

Para o assessor do Fórum da Amazônia Oriental, Marquinhos Mota, ligado ao movimento Xingu Vivo para Sempre”, o projeto tem mais de 30 anos e sempre foi rejeitado pela comunidade. Em entrevista concedida ontem à Rádio Nacional da Amazônia, Mota advertiu que os indígenas Kaiapó e Macuxi prometem guerrear se a obra for imposta pelo governo federal. Isso porque, segundo ele, não houve audiências públicas para discutir sobre o projeto com as etnias das 18 aldeias que vivem na região.

O assessor questiona também como serão mantidos, em Altamira, os 40 mil operários depois da conclusão das obras. Ele ressalta que a geração de 11 mil Megawatts (MW) de eletricidade – que tornariam Belo Monte a terceira usina hidrelétrica do mundo em capacidade de geração – só se dará em oito dos 12 meses do ano.

O diretor de Licenciamento do Ibama, Pedro Bignelli, não nega que Belo Monte vá causar impactos ambientais e sociais, mas garante que eles serão solucionados antes da autorização definitiva da obra. De acordo com ele, a licença prevê 40 condicionantes, ou seja, condições que devem ser cumpridas pelo vencedor do leilão. Uma delas estipula a indenização das pessoas que moram em locais que serão afetados antes do início da obra.

"A condicionante responsabiliza o empreendedor para que faça isso praticamente em tempo real. Conforme forem chegando as pessoas e conforme faça-se o acordo com as pessoas que devem sair de seus locais de origem esse pagamento tem que ser feito praticamente em tempo real.

Bignelli afirmou que os índios da região não terão que sair de suas terras e argumentou que o único impacto previsto, que afetaria os povos indígenas, é em relação à região da Volta Grande e à navegabilidade do Rio Pacajá, afluente do Xingu. Para resolver esse problema, conforme o diretor, será construído um elevador para embarcações atravessarem o barramento do rio. Ele garantiu a manutenção da população de peixes e de quelônios, já que os índios da região usam ovos dos tracajás na alimentação.

O Ibama argumenta que os procedimentos legais para o licenciamento de Belo Monte foram cumpridos, que as quatro audiências públicas realizadas em 2009 foram suficientes e que as contribuições da sociedade civil foram recebidas e avaliadas pelos técnicos. Está marcada para amanhã uma reunião de dom Erwim Krautler com o presidente do Ibama, Roberto Messias, em Brasília, para discutir o assunto.

Anônimo disse...

gente a primeira etapa em pernamboco já foi vencida os postos indignas continuam valeu a pena a luta agora só falta a administração isto agora é com o governador do estado pesidente da CUT e o lider do governo Deputado Fernando Ferro vamos aguardar os desfechos esta semana, só faltam 10 dias para saida do ministro e a do presidente da funai faltam quantos tem gente que não esta dormindo preocupado com o novo ministro

Anônimo disse...

Esta noticia que o Sergio Goiana não foi atendido é verdadeira mesmo, mas o Sérgio falou para o Assessor do Presidente que irá voltar amanhã, quarta, quinta e sexta, e se não for atendido voltará na segunda, pois o Presidente Lula deu a palavra dele aqui em Recife que iria atender o Sérgio que é presidente da CUT. Vamos aguardar.

Quanto ao outro comentário feito com referência ao índio Fulni-ô Max, é mais que verdadeira, principalmente se for mulher, ele parte pra cima mesmo. Grita na cara dos servidores, levanta a mão fechada nos rosto dos servidores como se fosse bater, cria projeto de mentira para receber dinheiro e gastar com coisas futeis, conseguia recursos em BSB e quando chegava em Recife que ninguém queria pagar porque sabia que era mentira, ele levava o seu grupo e ameaçava os servidores com gritos, muitos gritos, empurrões, palavrões, criava um verdadeiros caos na administração, deixando todo mundo nervoso, até conseguir o que queria.
As atitudes dele são assim de mentiras.
Quem acredita nele entra em um barco furado.
Desejo que os outros índios Fulni-ô fiquem sabendo desta história. Quero só ver como irá se livrar dessa.
A prosito ela não bate um prego numa barra de sabão, vivia de conseguir dinheiro com os projetos inventandos, como em Recife ele não consegue nada quer ir para Paulo Afonso para fazer o jogo por lá.
Cuidado servidores da CR de Paulo Afonso para não entrarem em um barbo furado e morrer na barragem de Paulo Afonso.

Anônimo disse...

QUEM É MAX FULNI-Ô? EM QUE ELE TRABALHA? É LIDERANÇA DE QUEM? LUTA PELOS FULNI-Ô OU POR SEUS INTERESSES E DE SUA SUPOSTA FAMILIA.
ACHO QUE NÓS FULNI-Õ NAO PODEMOS NOS CALAR. TEMOS NOSSAS LIDERANÇAS TRADICIONAIS E OS JOVENS QUE NAO PARTICIPARAM DESSA CARTA. FOI UM ABAIXO ASSINADO? FOI ASSINADO PELAS LIDERANÇAS? PELO POVO FULNI-ô QUE SE CALA PELO PODER INSTITUÍDO POR ESSE MAX, O FILHO É CHEFE DO POSTO, A MULHER É DA FUNAI,O CUNHADO É DA FUNAI. QUEM NAO É DA FUNAI É DA ESCOLA MANDADA PELA MULHER DELE. ACORDA MEU POVO.

Anônimo disse...

PARABÉNS RECIFE PELA PRIMEIRA VITORIA. EITA POVO RAÇUDO. LUTA, LUTA E NÃO DESISTE.

Anônimo disse...

A COORDENADORA IRANIA DA ANTIGA CGIRC – VIAJOU PARA EMPLACAR JEAN HERODOTO DE SALE - VULGO TOTA, PARA ASSUMIR A COORDENAÇÃO REGIONAL DE ALTO SOLIMOES EM TABATINGA, REDUTO DOS INDIOS TICUNA, HOUVE ELEIÇÃO E JEAN CANDIDATO DA IRANIA - ZERO VOTOS, E O INDIGENA ISMAEL TICUNA FOI CONSAGRADO O VENCEDOR. O QUE DESAGRADOU TOTALMENTE A COORDENADORA GERAL - IRANIA MARQUES, QUE SE DESLOCOU DE BSB PARA O INTERIOR DO AMAZONAS COM DIARIAS E PASSAGEM DA FUNAI PRA FAZER CAMPANHA PARA O SR HERODOTO. SAINDO LÁ CORRIDA, POIS, NÃO AGRADOU AOS INDIOS NENHUMA DAS PROPOSTAS APRESENTADAS PELA MESMA. E PARA EMPOSSAR O SR. HEROTODO A TODO CUSTO A MESMA DECIDIU DESAFIAR OS TICUNAS GARANTINDO A NOMEAÇÃO DO MESMO PARA COORDENADOR REGIONAL DO JURUÁ, COM SEDE NA CIDADE DE ATALAIA DO NORTE. VEJAM O ABSURDO: COMO ASSISTIR OS INDIIOS DO JURUÁ POR ATALAIA QUE NÃO TEM ESTRUTURA ALGUMA E NEM ACESSO AOS MUNICIPIOS DO JURUÁ, (ETNIAS EIRURETE, IPIXUNA, ENVIRA E OUTROS).

ATENÇÃO: NO DECRETO 7056/09, ATALAIA DO NORTE FOI EXTINTA, COM A PROMESSA DE SER APENAS UMA COORDENAÇÃO TÉCNICA LOCAL, COMO A DONA IRANIA GARANTE QUE VAI SER UMA COORDENAÇÃO REGIONAL, É SÓ PEDIR CÓPIA DE ATA PRA COMPROVAR O FATO.

DE ATALAIA, A SRA IRANIA SEGUE COMO PONTA DE LANÇA DA DIREÇÃO PARA PARENTIS E XINGU, E ASSIM ELA VAI ENGANANDO OS INDIOS COMO SE ASSIM PUDESSSE.

DEPOIS DESSA, ELA SAIU VOADA E NÃO RETORNOU PARA PEGAR A CARTA DOS TICUNA CONFORME COMBINADO, FAZENDO DE ESQUECIDA DELIBERADAMENTE.

Anônimo disse...

Atençao gente pelo andar da carruagem eu acho que o indigna Max Fulni-o , genro do cacique, devera ser o primeiro coordenador tecnico da ex-administraçao Recife.Sera que os indios de pernambuco sabendo da historias passadas deste jovem guerreiro vai aceitar de imediato. Parabens Marcio Meira voce e sua equipe estao bem informados, a esqueci ele tem o apoio do deputado federal Fernando Ferro.Agora durma com essa. Deputado o Sr. Caiu no conto do vigario a liderança deste jovem em sua propia aldeia e Z E R O. Vamos todos juntos aguardar esta e realmente pra gente rir.

Anônimo disse...

Tudo isto é campanha eleitoral, por isso esse desmonte e a indicação que os mesmos estão fazendo, pois assim ira emplacar as candidaturas que esse ou aquele deseja, usando os indios como cobaia de eleição e os coordenadores tecnicos como cabos eleitorais. Acorda Brasil.

Caetaneando disse...

Oi Rogério, boa tarde! Sou o Caetano de Altamira, Indigenista, graças a Deus!

Inicialmente agradeço as palavras de conforto e apoio para os servidores das administrações, como no caso de Altamira, que foi extinta.

Acabei de falar com o Mércio ( esse cara é muito correto e íntegro, amigão mesmo! ) Fez questão de ligar prá gente e oferecer um pouco de alento, em meio a esse tsunami chamado Márcio Meira.

Estou muito mal com essa situação. Confesso que temo pelas consequências dessa reestruturação. Os índios, a maioria não entendendo o que está acontecendo, me perguntam: "como é que vai ficar, não pode acontecer isto. A FUNAI de Altamira não pode acabar".

Não sei o que dizer a eles, cara, e isto tem me causado uma grande angústia.

Obrigado Rogério e até mais.

Blog do Walfredo disse...

Continua Rogério. Nós somos do quadro. Somos indigenistas de verdade. Não podem tirar nosso emprego conseguido através de concurso público.

Anônimo disse...

É lamentavel, mas quem esta no final de carreira como eu é triste acabar assim.
Sergio.

Anônimo disse...

O Decreto é a contrapartida que o Marcio Meira conseguiu pela aprovação de Belo Monte. As duas coisas são irrevogáveis. Os índios, e os servidores da FUNAI, são os que menos tem importância nesse processo todo.

O máximo que pode acontecer é tirarem ele e o seu pessoal, e trocar por outros que sigam a mesma cartilha da Dilma.

O PAC não pode parar!!

 
Share