quarta-feira, 7 de maio de 2008

Ministro Tarso Genro visita índios e reafirma defesa de Raposa Serra do Sol


Não poderia ser maior sinal da importância que o Governo Lula dá à homologação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol do que a presença do ministro Tarso Genro na própria Terra Indígena.

Aí está a foto do ministro com os índios exatamente no local onde os índios estão reconstruindo uma nova aldeia e onde se deu o ataque dos capangas do arrozeiro-mor da região, Paulo César Quartiero.

Quartiero, aliás, foi preso ontem mesmo, depois de ter insultado deus e todo mundo, na sua arrogância grega. Já é a segunda vez que ele é preso, mas desta feita não foi só por desacato. Em sua fazenda foram encontrados elementos de fabricação de bombas. As armas utilizadas no ataque aos índios sumiram.

Parabéns ao ministro Tarso por sua firme coragem e determinação nesse política de governo. Suas declarações de que essa terra indígena não põe em cheque a soberania nacional nem a segurança de nossas fronteiras vêm sendo muito firmes e muito importantes para o reconhecimento dos brasileiros sobre a questão. Porém, no final, a decisão caberá ao ministro Ayres Britto, cujo voto inicial certamente será seguido pela maioria do STF sobre a questão dessa homologação.

No outro lado do espectro, na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, foi feita uma espécie de desagravo ao general Augusto Heleno Ribeiro e suas declarações sobre a soberania nacional. O mote é "A Amazônia é nossa", com o qual todos concordamos. Apenas queremos que o fuzil do Exército não seja apontado para os povos indígenas.

Diversos jornais trouxeram essa matéria da ida do ministro Tarso Genro a Roraima. O da Folha de São Paulo continua com melhor cobertura, mas o leitor pode complementar com as matérias de O Globo e O Estado de São Paulo.

______________________________________

"PF vai responsabilizar pistoleiros", diz Tarso
Ministro pede calma a índios durante visita a fazenda invadida anteontem e é chamado de "irresponsável" por prefeito de Pacaraima (RR)

Petista não foi reconhecido por líder indígena e teve a escolta de pelo menos 20 policiais, além de proteção de um helicóptero da PF

HUDSON CORRÊA
DO ENVIADO À VILA DO SURUMU (RR)
FOLHA DE SÃO PAULO

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou ontem -dentro da fazenda onde nove índios foram feridos anteontem na reserva Raposa/Serra do Sol em Roraima- que a Polícia Federal vai "responsabilizar os pistoleiros" que feriram os índios.

Escoltado por ao menos 20 policiais e protegido por helicóptero que fazia sobrevôos em círculos com um atirador na porta, Tarso chegou, foi cercado por índios e disse: "Estamos aqui para fazer uma investigação e responsabilizar as pessoas que causaram esse incidente grave. Confiem no trabalho da PF e da Força Nacional".

"O senhor quem é?", perguntou o líder macuxi Djacir Merequior da Silva. "Sou ministro da Justiça do país", disse Tarso. "Como é o nome do senhor?", disse Djacir. "Tarso Genro", respondeu o ministro, que veio de helicóptero de Boa Vista, desceu em Vila do Surumu e foi ao local onde os índios montaram 20 barracas anteontem.

Tarso pediu calma aos índios, mas ouviu que eles vão recuperar a terra "na lei ou na marra". Cerca de cem indígenas permanecem na fazenda.

"É um irresponsável. [Tarso] veio aqui ver o que a política indígena do governo Lula criou", disse o dono da fazenda, Paulo César Quartiero (DEM), prefeito de Pacaraima, município onde está a terra indígena, no início da tarde, antes de ser preso.
Quartiero lidera movimento de produtores de arroz que lutam para manter fazendas na área homologada como indígena por Lula em 2005. Ele admite que seus funcionários, encapuzados, atiraram contra os índios, mas só para se defender.

Segundo o líder indígena Djacir Merequior disse à Folha, mais índios estão chegando à área para manter a invasão. Mesmo se a demarcação for revista pelo STF, os índios vão retirar os produtores da arroz da área, disse o líder Martinho Macuxi Souza, 37.

A desocupação da Raposa foi suspensa pelo STF. Ao menos cem policiais federais e da Força Nacional, porém, estão na Vila do Surumu. "Vai ser breve, daqui a 15, 30 dias sai a decisão do Supremo", disse Tarso.

Tarso afirmou que conversou com o ministro Carlos Ayres Britto, do STF, relator do processo da Raposa/Serra do Sol e informou que o inquérito para apurar quem "são os pistoleiros e mandantes" não fere a decisão do Supremo de suspender a desocupação.

O ministro disse que terra indígena na fronteira "não afeta a soberania nacional coisa nenhuma. Uns estão desinformados e outros acham que a única forma de ocupação é deixar fazendeiros trabalharem. Isso é um preconceito", disse.

Quartiero rebate: "O que o CIR [Conselho Indígena] e as ONGs estão pedindo é um cadáver, igual à [freira] Dorothy Stang [assinada em 2005]. Quase conseguiram".

O prefeito disse que entrou na Justiça com pedido de reintegração de posse da fazenda.

O governo federal protocolou ontem no STF pedido de mandado de busca e apreensão para que PF e Força Nacional retirem dos não-índios da reserva armas, munições e explosivos. O texto, da Advocacia Geral da União e da Funai, diz que foi "legítimo" o ato dos índios.

3 comentários:

marley disse...

Professor,
Peço, por gentileza, que me passe um e-mail de contato, pois preciso entrar em contato com o senhor

Anônimo disse...

Marley, me passe seu email que lhe escrevo. Mercio

Guilherme Carrano disse...

Com tantos acontecimentos de perseguição e discriminação aos povos indígenas, em todas suas regiões, a FUNAI não pode mais continuar da maneira que vem sendo tratada desde 1986: SUCATEADA - baixos salários, falta de plano de carreira descente, baixa quantidade de servidores, diminuição dos recursos operacionais e, atualmente, influenciada e dominada por mentalidade de empresas de consultorias...

 
Share