quinta-feira, 9 de abril de 2009

Chimpanzé troca carne por sexo


Esta é a grande novidade etológica dos últimos meses. Pesquisa feita com um grupo de chimpanzés selvagens da Costa do Marfim verificou que algumas fêmeas fazem mais sexo em função de presentes de carne (de alguma caça) que recebem dos machos.

Essa descoberta, se comprovada entre outros grupos de chimpanzés, pode mostrar que animais também fazem troca de bens por favores, no caso, sexuais. Antes pensava-se que a troca entre adultos, que predispõe primeiro uma doação e em seguida um "pagamento", era uma característica singular do ser humano, Homo sapiens.

O interessante é que, cada vez mais, os etólogos vêm descobrindo novas formas de comportamento social entre os pongidae, e até entre outros animais, que os aproximam dos humanos. Alguns pesquisadores falam inclusive em animais possuírem sentimentos próximos dos sentimentos humanos. Quem tem animais domésticos que o diga.

Veja a matéria abaixo, que, aliás, está em muitos jornais, e vem do Instituto Max Planck, da Alemanha.


___________________________________________

Fêmeas de chimpanzé trocam sexo por comida

Berlim, AFP

O caminho para o coração de uma fêmea de chimpanzé passa por seu estômago, segundo os resultados de um estudo alemão divulgado nesta quarta-feira.

As fêmeas ficam mais predispostas ao acoplamento se lhes for oferecido alimento em troca, principalmente carne.

Depois de observar durante cerca de dois anos um grupo de chimpanzés no parque nacional de Tai na Costa do Marfim, os autores do estudo, testemunhas de 262 "casamentos" neste período, chegaram à conclusão de que "as fêmeas selvagens copulam com mais frequência com machos que (...) compartilham alimentos com elas".

"Os resultados sugerem que as fêmeas selvagens de chimpanzés trocam comida por sexo, e o fazem a longo prazo", explicou Cristina Gomes, autora do estudo e pesquisadora do Instituto Max-Planck de antropologia evolutiva de Leipzig (leste).

Os cientistas haviam observado há tempos que estes primatas gregários compartilham com frequencia a comida, inclusive as fêmeas que não participaram da caça, mas não entendiam por quê o faziam.

Este novo estudo mostra que "os machos que agem dessa foram, dividindo suas presas, duplicam as possibilidades de cópula", comenta Cristina Gomes.

O outro autor do estudo, o biólogo franco-suíço Christophe Boesch, afirmou que os resultados encontrados terão "uma influência sobre nossos conhecimentos atuais das relações entre homens e mulheres".

A problemática "sexo por comida" poderia, assim, dar um salto da zoologia para a antropologia: os cientistas estabeleceram há tempos que, nas sociedades primitivas que vivem da caça e da colheita, os caçadores mais produtivos têm mais esposas e, portanto, mais filhos, mas nunca havia sido estabelecida uma relação explícita entre ambos os fatos.

6 comentários:

Anônimo disse...

Índios entram em conflito pela posse do local


Da Redação
Informações recebidas no final da manhã pela Folha Web são de que índios integrantes do Conselho Indígena de Roraima (CIR) e da Sociedade dos Índios Unidos do Norte de Roraima (Sodiur) estão em conflito pela disputa do Lago Caracaranã.

Fontes dizem que mais de 30 indígenas ligados ao CIR e outros da Sodiur brigam pela posse da área, um dos pontos turísticos mais importantes do Estado. A confusão já teria gerado agressão. A Polícia Federal foi informada do fato.
http://www.folhabv.com.br/fbv/noticia.php?id=59670

Deborah Icamiaba disse...

Mércio, olá! Acompanho seu blog com interesse. Gostaria de convidá-lo para o I Sarau das Poéticas Indígenas, evento de minha curadoria, que acontecerá na Casa das Rosas, em São Paulo. Copio um link sobre o evento produzido por uma das participantes, poeta indígena pernambucana Graça Graúna. http://www.overmundo.com.br/agenda/poeticas-indigenas-i-sarau
Abraço,
Deborah

Anônimo disse...

Pouca sensibilidade apontar como sugestivo as femeas trocarem comida por sexo. Visão restrita de quem desconhece a magia da vida e importância do gênero para a construção da continuidade.
Abordagem discriminativa contra as fêmeas, contra o macho e contra as relações de aproximação, belíssimas entre eles.

Cavalleiro disse...

Perdoem o comentário machista,
mas as fêmeas da nossa espécie não são muito diferentes de nossos primos antropóides. Afinal, depois de um bom jantar a luz de velas....deixa pra lá.

guilherme disse...

Pô Cavalleiro, seja cavalheiro...o jantar é somente um pretexto para o tesão de ambas as partes.

Cavalleiro disse...

Guilherme, eu sou carioca... e os cariocas perdem os amigos (e as amigas) mas não perdem a piada. Por exemplo: existem mulheres que se conquistam com flores...para todas as outras existe cartão de crédito. Putz, é pior que chipanzé. Como dizia aquele programa humorístico, "o macaco tá certo".

 
Share