domingo, 28 de setembro de 2008

Índios do Acre reclamam do trabalho das Ongs

O relacionamento entre Ongs indigenistas e os próprios povos indígenas está chegando a tal ponto de desconforto que os índios começaram a denunciá-lo.

Vejam essa matéria retirada de um jornal de Cruzeiro do Sul, estado do Acre, e repercutida pela Coiab, a principal instituição indígena do Amazonas.

Parece aos índios que as Ongs foram criadas para ajudá-los a assumir seu potencial político, econômico e social na sociedade brasileira. Mas, ao longo de mais de vinte anos de atuação, a maioria das Ongs só tem deixado os índios mais dependentes, seja delas próprias, seja da FUNAI. Às vezes essa dependência é financeira, pois as Ongs neoliberais saem à frente e conseguem recursos para as organizações indígenas. Às vezes a dependência é ideológica, quando as Ongs neoliberais ditam o modo das organizações indígenas pensarem e atuaram.

Autonomia econômica, autodeterminação política estão longe de serem alcançados pelos povos indígenas e suas organizações.

O problema é sério, haja visto a repercussão dessa matéria entre as organizações propriamente indígenas.

Porém não é totalmente culpa das Ongs. Elas não são capazes de atender o que pretendem os índios porque lhes falta aquilo que também falta ao órgão indigenista brasileiro. Uma visão de futuro, de relacionamento paritário, equilibrado e digno entre os povos indígenas e a sociedade brasileira. Elas, as Ongs, se distinguem da FUNAI e do Estado brasileiro porque se pretendem mais importantes, mais sábias e mais corretas. Não são uma coisa nem outra.

Mais humildade nessa relação por parte de todos: das Ongs, das instituições indígenas e do Estado, dos antropólogos, dos indigenistas e dos índios.

O mundo está em mudança e pode mudar de um modo muito ruim para os povos indígenas. A cobrança está vindo aí, primeiro pelos fazendeiros e políticos locais que estão a exigir participação nos destinos políticos dos povos indígenas e determinar políticas públicas; depois pela exigência do Estado. Aí ficará muito difícil para os índios.

Uma nova visão do relacionamento interétnico brasileiro é o que precisamos. Um novo indigenismo está na ordem do dia. Um novo papel do Estado brasileiro tem que ser construído.

Por isso é que é necessário convocar uma nova Conferência Nacional dos Povos Indígenas.

__________________________________________________

Indígenas denunciam ONGs oportunistas

Em Cruzeiro do Sul, os catuquinas que moram próximos à Estrada BR-364 não conseguem mais acreditar em ninguém. Uns chegam e dizem que o bom é isso, que tal coisa é ruim, outros chegam dizendo o contrário.

São oito instituições que trabalham com eles, mas, mesmo assim, eles vivem em condições precárias. Os grupos se aproximam deles para por interesse no sapo campô. Eles levam o conhecimento e não deixam nada em troca. Esse foi um exemplo dado pelo líder indígena Sabá Manchiner, para mostrar oportunismo de algumas organizações não-governamentais (ONG)

Esse tipo de organização tornou-se um lucrativo meio de vida. São inúmeros projetos destinados aos povos indígenas. Essas entidades recebem recursos do mundo inteiro apenas levantando, mesmo que na teoria, a bandeira “pró-índio”.

Segundo o líder, não há transparências na gestão desses grupos. Ele disse que os índios não sabem sequer quais os projetos em que estão envolvidos. “Falta transparência. Não há nenhum tipo de prestação de contas com os indígenas”, declarou.

Os pesquisadores ligados a essas intuições, quando não visam ao lucro diretamente, têm interesses nos conhecimentos dos povos indígenas. A contribuição deles é mínima. Eles são os mais beneficiados com essa relação desequilibrada – aprendem muito, ensinam pouco.

Parte das aldeias não recebe nenhum benefício, mas, sem muito medo de errar, deve existir algum projeto quem empenhe suas etnias. Os índios sabem dos recursos, mas não têm acesso aos programas desenvolvidos”, detalhou Sabá.

Dois caminhos

Os índios acreanos estão no meio de uma bifurcação: se optarem por permanecer em suas aldeias, conservando suas tradições, como os tão noticiados “índios isolados”, o risco é virarem seres folclóricos, preservados num museu natural.

“Todo o mundo tem opinião sobre a vida dos índios, menos eles mesmos. Essa é a situação em que se encontram os tão famosos ‘povos da floresta’”, desabafou o líder.

Caso queiram trilhar pelo segundo caminho, deixando suas terras para viverem na cidade, imersos numa cultura alheia, os problemas serão ainda maiores, como o alcoolismo e a miséria. “Se um índio busca melhoria de vida para ele e para os outros, logo é taxado como autoritário e contra o sistema”.

“Acredito que é possível permanecer sendo um povo, obtendo outros conhecimentos, sem se apropriar do conhecimento alheio, tendo respeito e equilíbrio entre as culturas. O que não pode acontecer são os indígenas serem obrigados a ficar isolados só como propaganda.

Quando tudo começou

Sabá Manchineri lembrou que, na década de 1980, quando surgiram as primeiras ONGs, o discurso deles era capacitar os índios para terem autonomia e condições de executarem seus próprios projetos. Mas o que acabou acontecendo foi o contrário, os pesquisadores se especializaram na cultura indígena nos conhecimentos tradicionais, ganharam dinheiro e foram embora. “Os índios não ficaram conhecimento sequer para relatar seus problemas”, salientou.

A saída proposta pela liderança é o incentivo a políticas mais claras e a líderes indígenas que possam gerir seus próprios recursos e lutar pelo diretor dos grupos indígenas. “Precisamos de preocupações verdadeiras”, finalizou.

Survival International arrecada euros em nome de índios isolados

Um exemplo da ação da ONGs ligadas às causas indígenas é esta matéria de Altino Machado.

“A pretexto de proteger os índios isolados da fronteira Brasil-Peru, vítimas dos madeireiros peruanos que invadem e destroem suas terras, a Survival International lançou uma nova campanha mundial para obter a doação de euros para a organização e o envio de cartas ao presidente peruano Alan Garcia em apoio aos indígenas”.

“Survival, cuja sede funciona em Londres, não explica como o dinheiro da arrecadação será transformado em ações de proteção de etnias que vivem isoladas e se defendem das ameaças basicamente com arco e flecha. A organização sugere doações que variam de 6 a 100 euros. Mas o contribuinte tem a opção de fazer doação mensal, trimestral e anual de valores maiores, optando por tornar-se sócio ou não”.

2 comentários:

Guilherme Carrano disse...

Muitas ONGs se aventuram como "consultoras", pretendem um caminho para obtenção de GRANA, justificando sua atuação como "pró-índio". Há casos em que chegam a usurpar direitos indígenas de imagem e autorais apresentando-se como TUTORAS do direito indígena. Exibindo autorizações e até mesmom procurações. E outras que se apresentam como únicas conhecedoras e "aliadas" de certas etnias - como TUTORAS também - tudo em função da GRANA.
Para dar continuidade e favorecer seus próprios interesses precisam facilitar com a retirada da TUTELA da FUNAI (órgão de Estado), o quê já vêm pregando a muito tempo junto com o CIMI.
Tudo vai ficar mais fácil para esses "atores" e para as Mineradoras e Madeireiras.
E o CNPI está se prestando para isso ?
Hoje, após o fracasso da SAÚDE INDÍGENA em convênio com ONGs - com a morte de centenas de índios e corrupção ativa de recursos públicos -onde estão os responsáveis por essas mudanças ?
Onde estão as ONGs e o CIMI ?
O CNPI precisa ser fotografado, mostrado, para que em futuro próximo possamos responsabilizá-los ou, quem sabe, agradecê-los ?
Há 20 anos atrás vários "atores" defenderam a retirada da saúde indígena da maneira como aconteceu, ONDE ELES ESTÃO HOJE ?

Ana disse...

No post ‘Survival em Nome dos Isolados’, de 24 de setembro, Altino Machado se questiona como a Survival International usa o dinheiro das doações que arrecada. Essa é uma questão legitima a que queremos responder.
A Survival é a única organização internacional que apóia os povos indígenas de todo o mundo e que não recebe financiamento de nenhum governo. No entanto, não somos uma agencia de financiamento. Acreditamos que o problema fundamental dos povos indígenas não é a falta de dinheiro mas sim a falta de representação, a falta de apoio público, a violação de seus direitos e a discriminação. A opinião pública tem o poder de impedir que governos e companhias continuem a oprimir e a ameaçar a sobrevivência dos povos indígenas.
Todo o dinheiro angariado é utilizado nas campanhas da Survival. O nosso trabalho junto do público, um trabalho educativo, objetiva demolir os mitos, bastante difundidos, segundo os quais os povos indígenas são relíquias do passado e estão predestinados a perecer para dar lugar ao ‘progresso’. Nosso trabalho é promover o respeito pelas cultura indígenas e mostrar sua importância e valor, e mostrar que elas são tão contemporâneas como qualquer outra sociedade.
Nas campanhas contra governos e companhias que ameaçam os índios, utilizamos o envio massivo de cartas, que é um instrumento de grande eficácia. No ano 2000, por exemplo, o governo Indiano abandonou planos de desalojar a tribo Jarawa, uma tribo isolada, depois de receber centenas de cartas diárias de simpatizantes da Survival de todo o mundo. Pouco depois, o governo da Sibéria Ocidental impôs uma proibição de cinco anos sobre a extração de petróleo em território dos khanty do Yugan, após a publicação de um boletim da Survival. Contamos com muitos outros êxitos.
Todo esse trabalho tem custos. É necessário pesquisar, publicar materiais, filmar e editar vídeos para colocar online, consultar comunidades indígenas e ONGs, financiar e apoiar representantes indígenas em viagens para que exponham as suas reivindicações diretamente a governantes.

No caso dos povos isolados, é ainda mais importante que organizações como Survival se pronunciem para defender os seus direitos, já que a sua própria voz não é ouvida. Produzimos materiais para a nossa campanha Povos Isolados, como o DVD e entrevistas que podem ser vistos no nosso site (http://www.survival-international.org/campaigns/uncontactedtribese que destribuimos em vários paises. Além disso, enviamos boletins de Ação Urgente sobre Índios Isolados a milhares de indivíduos e organizações em todo o mundo, que não têm acesso à Internet. Todo este trabalho tem que ser financiado.

Para manter sua independência, a Survival não aceita financiamento de nenhum governo ou corporação (ao contrário de muitas ONGs). O nosso financiamento é feito essencialmente por doações individuais. É por isso que fazemos apelos de donativos publicamente. Informação detalhada se encontra no nosso informe anual (http://www.survival.es/sobrenosotros/informeanual).

Resta apontar que, se bem que a corrente controvérsia sobre as ONGs internacionais e seus interesse no Brasil possa ter fundamento legítimo, o ataque a uma organização como a Survival, uma das poucas organizações que luta pelos direitos dos Índios, é extremamente prejudicial a sua causa. Isso apenas beneficia as companhias de petróleo e os madeireiros: dividir para governar.

Para receber uma cópia do nosso DVD Povos Isolados (por agora as doações tornaram possível sua reprodução em Inglês e Espanhol) e uma cópia do nosso boletim sobre os impactos dos madeireiros ilegais nos povos isoladas do Peru e Brasil, por favor envie um e-mail para info@survival-international.org

 
Share