terça-feira, 1 de julho de 2008

Brasil desmata quatro vezes mais!!


Um dos temas abordados na entrevista que dei à revista Carta Capital, postada logo abaixo, é o modo como o desmatamento da Amazônia está comprometendo a imagem do Brasil mundo afora. Nós estamos virando responsáveis pelo aquecimento global!

A matéria abaixo confirma o susto que o Brasil está dando. Trata-se de um novo modelo de pesquisa que compara os desmatamentos de regiões tropicais pelo mundo.

O Brasil sai em primeiro lugar disparado com 47% do desmatamento de florestas tropicais entre o período de 2000 a 2005. Mesmo que isto seja menos de 10% da nossa Floresta Amazônica.

Não adianta o presidente Lula e outros brasileiros dizerem que a Europa reclama do desmatamento porque eles já desmataram tudo que havia de floresta nativa em suas terras. Também a China, a Índia e muitos países africanos de densidade demográfica alta também já desmataram muito de suas florestas.

A questão é: o Brasil tem que fazer seu dever de casa. Para isso tem que levar a Amazônia a sério, não como nosso quintal, mas como parte essencial de nossa vida e de nossa identidade.


____________________________________________________

Novo estudo mapeia desmatamento no mundo

O Estado de São Paulo
Alexandre Gonçalves

Brasil derrubou 47,8% das florestas tropicais úmidas do planeta no período entre 2000 e 2005, quatro vezes mais do que a Indonésia

O Brasil foi responsável por 47,8% do desmatamento de florestas tropicais úmidas entre 2000 e 2005, quatro vezes mais do que o segundo colocado, a Indonésia, com 12,8%. O ranking foi apresentado em uma pesquisa que será divulgada esta semana na edição digital da revista científica americana Proceedings of the National Academy of Sciences (www.pnas.org).

No mundo, a área desmatada acumulada no período foi de 272 mil km², mais do que os territórios dos Estados de São Paulo e Sergipe juntos. A pesquisa estimou que a taxa anual de desmatamento no Brasil foi de 26 mil km². Na Indonésia, foi de 7 mil km². "Não há novidade no dado sobre o Brasil. É o valor esperado", explica o pesquisador sênior do Imazon, Adalberto Veríssimo. "O grande mérito foi ter calculado o desmatamento nos outros países. Assim, é possível estabelecer uma comparação."

O diretor de Políticas Públicas de Controle do Desmatamento do Ministério do Meio Ambiente, André Lima, questiona a taxa anual para o Brasil. Ele explica que, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o valor correto seria 21,45 mil km².

Segundo a pesquisa americana, cerca de 55% do desmatamento está concentrado em apenas 6% das florestas tropicais úmidas, configurando essas regiões como hotspots - áreas com grande biodiversidade e altamente ameaçadas.

Veríssimo aproveita para reafirmar a responsabilidade do País. "Temos um terço das florestas tropicais úmidas do mundo e quase metade do desmatamento", compara. "É desproporcional. Temos uma grande responsabilidade diante dos demais países."

MÉTODO

Ao Estado, o professor da Universidade do Estado da Dakota do Sul, Matthew Hansen, responsável pela pesquisa, afirmou que o método demonstrou ser eficaz para grandes áreas. "Vai ajudar os protocolos de monitoramento globais que estão sendo criados."

Para a confecção do mapa global, os pesquisadores cruzaram dados dos sistemas Modis e Landsat de imagens por satélite.

4 comentários:

Anônimo disse...

Mércio, se quer um conselho de colega, tira fora o espaço de comentários do post mais abaixo. Aquilo ali agora vai ser vítima da sanha dos loucos de encomenda, daquele mato não sai mais cahorro, ou melhor, só sai cachorro.

Aloisio Milani disse...

Mércio, fiz um post no meu blog sobre a situação dos Kaingang da Ti Terra Boa, do interior do Paraná. A apuração foi incluída num relatório para a ONG Repórter Brasil sobre o impacto da expansão das culturas ligadas aos agrocombustíveis. Depois veja lá.
http://aloisiomilani.wordpress.com/2008/07/01/%e2%80%9csoja-logo-ali-o%e2%80%9d/

Guilherme Carrano disse...

Esssas notícias de desmatamento precisam ser correlacionadas com as atividades e formas de ocupação e se apontar quem realmente são os que se beneficiam das riquezas provinientes dessas ações...
na região de Mato grosso, nas proximidades do rio Tanguro, local onde se localiza uma das fazendas de soja do Sr. Blairo Maggi - desmatamento colossal - está implantado um enorme galpão da CARGIL...
e os emprestimos do Banco do Brasil S.A ?? Como são controlados?

Susana disse...

Eh senhor Guilheme Carrano, é fácil falar sem conhecimento de causa.Antes a prória legislação dava suporte para os que hoje chamamos de 'vilões do ambiente'. Se o governador de MT jah muito desmatou, foi o mesmo que implantou políticas de controle a isto. Não soh o defendo como digo que ele foi o melhor para MT. Sou de MT, e hj há um controle maior do que se desmata, pode não ser suficiente, mas eh o começo.Somos o primeiro estado apresentar solução para a regularização fundiária. Apontar erros eh fácil, aponte vc uma solução.

 
Share